Preços de hortigranjeiros têm leve alta, mas há boas opções para consumidores

Agronegócio

Preços de hortigranjeiros têm leve alta, mas há boas opções para consumidores

Em Curitiba (PR), os preços dos produtos hortigranjeiros iniciam o ano com preços moderados
Por:
1490 acessos

Na Ceasa Curitiba (PR), no bairro Pinheirinho, os preços dos produtos hortigranjeiros iniciam o ano com preços moderados. Na segunda-feira (10), os preços dos 30 principais produtos vendidos na central atacadista tiveram acréscimo médio de 1,82% quando comparados com a semana anterior. De acordo com a Divisão Técnica e Econômica (Ditec) da Ceasa, o mercado de hortigranjeiros está aquecido na comercialização por causa da boa oferta de produtos no atacado da central.

Na gangorra das cotações, no início desta semana, 13 produtos apresentaram queda de preços, seis permaneceram com preços estáveis e 11 apresentaram alta. O vilão da semana foi a couve-flor tipo grande, que teve acréscimo de 78%. A dúzia da hortaliça estava cotada em média a R$ 25, contra os R$ 14 da semana anterior (3 de janeiro).

Segundo o engenheiro agrônomo do Ditec, Nilo Ribas, a alta significativa dos preços do produto se deve principalmente ao forte calor e umidade verificadas no solo nos últimos dias junto às áreas produtoras do cinturão verde da Região Metropolitana de Curitiba, principalmente em São José dos Pinhais, Colombo e Araucária. “Por isso houve diminuição da oferta da couve-flor no atacado, forçando assim a alta nos preços”, explicou.

ÉPOCA – O técnico da Ceasa esclarece que outros produtos, de elevado consumo, como batata, alface, vagem, abobrinha verde, maçã, manga e uva tiveram redução de preços, por conta da boa oferta da época. “Isso ajudou a equilibrar a média ponderada das cotações no atacado”, explicou Nilo Ribas.

Quem também ajudou a puxar um pouco as cotações nos preços da semana no atacado das Centrais de Abastecimento foi a batata-salsa extra 2ª. A caixa de 25 quilos da mandioquinha estava cotada em média a R$ 80, alta de 37%. Na semana anterior a caixa da batata-salsa era encontrada a R$ 58. A oferta do produto veio dos municípios de Agudos do Sul, Mandirituba e Quitandinha.

Ainda com preços superiores aos da semana anterior encontramos a batata-doce extra branca, caixa com 23 quilos, cotada a R$ 25 (+4,17%); beterraba extra 2 A, caixa com 23 quilos, R$ 15 (+25%); cenoura tipo nantes 2 A, caixa com 23 quilos, R$ 20 (+11%); chuchu extra 2 A, caixa com 22 quilos, R$ 25 (+25%); pimentão verde extra 2 A, caixa com 13 quilos, R$ 13 (+8%); tomate extra 2 A, caixa com 23 quilos, R$ 23 (+15%); banana caturra de primeira, caixa com 22 quilos, R$ 16 (6%); tangerina murkote grande, caixa com 21 quilos, R$52 (+15%); e laranja pera grande, caixa com 27 quilos, R$ 28 (+12%).

OFERTA – O consumidor tem uma relação extensa de produtos que apresentaram reduções nas cotações do atacado na Ceasa Curitiba. Entre eles estão a boa oferta, e com muita qualidade, da uva niagara rosada. O produto, com procedências de Marialva, Rosário do Ivaí e Cerro Azul, apresentou baixa de 35%. A caixa com 8 quilos, está cotada, em média, a R$ 18.

Outro produto com boa oferta, e aceitação por parte do consumidor, é a melancia redonda. A fruta, vinda de Tapejara, norte do Paraná, e de São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, está cotada, em média, a R$ 0,50 o quilo, baixa de 16% se comparado à semana anterior.

Ainda com preços inferiores no atacado da Ceasa Curitiba estão as ofertas de abóbora seca, R$ 0,70 o quilo (-12%); abobrinha verde extra 2 A, caixa com 19 quilos, R$ 10 (-16%); alface crespa grande, caixa com 18 unidades, R$ 8 (-20%); batata comum especial lavada, saco com 50 quilos, R$ 30 (-6,%); vagem-macarrão extra 2 A, caixa com 17 quilos, R$ 15 (-25%); abacate manteiga, caixa com 21 quilos, R$ 48 (-4%); limão tahiti médio, caixa com 26 quilos, R$ 32 (-15%); maçã nacional vermelha tipo gala, caixa com 20 quilos, R$ 45 (-6%); mamão comum tipo formosa, caixa com 15 quilos, R$ 18 (-10%); manga tomy, caixa com 21 quilos, R$ 25 (-10%); e melão amarelo grande, caixa com 16 quilos, R$ 23 (-8%).

DICA – Segundo o diretor-técnico da Ceasa Paraná, Valério Borba, produtos como repolho e cebola estão com boas ofertas e qualidade. “O consumidor pode aproveitar as safras do repolho e da cebola que são boas opções para completar e enriquecer as alternativas alimentares”, afirma. As produções vindas das regiões de Araucária, São José e Colombo, para o repolho mantiveram estável o preço do saco de 30 quilos, cotado a R$ 6; e da cebola tipo pera nacional, com ofertas das regiões de Quitandinha, Araucária e Lapa, saco com 20 quilos, cotado em média a R$ 10.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink