Preços mundiais do arroz seguem em queda
CI
Imagem: Pixabay
MERCADO MUNDIAL

Preços mundiais do arroz seguem em queda

Em junho, os preços mundiais do arroz caíram significativamente, diminuindo ainda mais as diferenças entre as origens
Por:

Em junho, os preços mundiais do arroz caíram significativamente, diminuindo ainda mais as diferenças entre as origens. O diferencial de preço entre o arroz indiano e o de seus principais concorrentes asiáticos é o mais baixo desde dezembro de 2019. A demanda global continua relativamente fraca e os custos crescentes do frete marítimo pressionam os exportadores a reduzir seus preços. Além disso, os preços asiáticos tendem geralmente a cair entre junho e agosto com a chegada da segunda safra ao mercado. Por outro lado, a desvalorização das moedas locais em relação ao dólar, especialmente na Índia e na Tailândia, contribui para a queda dos preços de exportação.

A tendência baixista deve continuar nos próximos meses devido ao aumento significativo da oferta de exportação como resultado das boas colheitas nas principais regiões produtoras de arroz da Ásia. Ao mesmo tempo, espera-se que a demanda mundial se recupere nos próximos meses. Estima-se que o comércio mundial crescerá 6% em 2021, para 48,2 Mt, em grande parte devido à forte demanda africana. Em julho, o Índice OSIRIZ/InfoArroz (IPO) caiu significativamente em 16,3 pontos para 207,4 pontos (base 100 = janeiro de 2000) contra 223,7 pontos em junho. É a maior queda mensal desde janeiro de 2012. No início de agosto, o índice IPO ainda estava enfraquecendo para 199 pontos. Este é o nível mais baixo desde fevereiro de 2020, 10% abaixo da média anual de 2020.

Produção mundial

De acordo com as últimas estimativas da FAO, a produção mundial de arroz em 2020 teria aumentado 2,3% para 774,5 Mt (514,3 Mt base beneficiado). Em 2021, as novas projeções indicam um aumento de 1% para 782.4 MT. A produção asiática aumentou, graças à extensão das áreas plantadas e a melhores rendimentos na China e na Índia. Na Índia, a produção teria aumentado em 3,5%, enquanto na China, o
aumento foi de apenas 0,5%. Na Tailândia, a produção melhorou em 3,7%, apesar da seca em meados do ano. Nos Estados Unidos, a safra aumentou 22% em comparação ao ano anterior. Na América Latina, a produção também se recuperou, especialmente no Brasil. Na África subsaariana, a produção de arroz foi afetada pelas inundações no final do ciclo de cultivo, especialmente nas regiões ocidentais, e não se espera um incremento em relação a 2019, o que aumentará significativamente a demanda de importação em 2021.

Comércio e estoques mundiais

Em 2020, o comércio mundial do arroz cresceu 2,8% para 45,4 Mt, contra 44,2 Mt em 2019. As necessidades de importação foram maiores na América Latina e no Caribe devido a um salto no consumo de arroz em resposta à pandemia de Covid-19. A Índia, o maior exportador do mundo, viu suas exportações aumentar 50% graças a preços extremamente competitivos. Em contraste, as vendas tailandesas caíram novamente 25%, marcando seu nível mais baixo em vinte anos. O Vietnã resistiu melhor à onda indiana, com uma queda de apenas 4,5%, subindo para o segundo lugar no mundo e ultrapassando a Tailândia pela primeira vez. Em 2021, espera-se um aumento significativo no comércio mundial de 6% para 48,2 Mt, ou seja, 2,7 Mt a mais do que em 2020. A demanda de importação deverá crescer fortemente em Bangladesh e na África Ocidental, como na Nigéria, Costa do Marfim e Senegal.

Os estoques mundiais de arroz terminando em 2020 diminuíram 1.6% para 183 Mt contra 186,1 Mt em 2019. Entretanto, eles permanecem em níveis confortáveis, representando 36% do consumo mundial. Este declínio afetou principalmente a China, embora seus estoques permaneçam altos, equivalentes a 70% de seu consumo anual. Além disso, espera-se que os estoques dos principais países exportadores aumentem novamente em 2020/21 para 53 Mt, já 30% dos estoques mundiais. Por outro lado, os estoques nos principais países importadores, particularmente nos países africanos, deveriam diminuir. Em 2021, os estoques mundiais poderão aumentar ligeiramente em
0,5% para 184 Mt. Na Índia, os preços do arroz caíram 1%, principalmente devido à nova desvalorização da rupia em relação ao dólar. A segunda safra (Rabi) foi concluída e os suprimentos devem ser abundantes após um aumento de 36% nas precipitações em comparação com a média de dez anos.

As exportações continuam progredindo bem e podem ultrapassar 16 Mt em 2021, superando em 10% o recorde anterior de 2020. Em julho, o arroz indiano 5% quebrado marcou US$ 385/t Fob contra $ 390 em junho. O arroz indiano 25% também caiu de $ 361 para $ 358. No início de agosto, os preços marcavam uma tendência ligeiramente mais baixa. Na Tailândia, os preços caíram em 7%. Desde o início do ano, os preços caíram 20%. A chegada da segunda safra está pesando nos preços de exportação. Além disso, o bath continua fraco em relação ao dólar, perdendo quase 4% em um mês. O mercado externo permanece estável, atingindo 395.000 t exportadas contra 390.000 t em junho. As exportações ainda estão 20% atrasadas em relação ao ano passado na mesma época. As metas de exportação de 6 Mt em 2021 parecem difíceis de alcançar. Para isso, a Tailândia teria que exportar uma média mensal de 500.000 t. Em julho, o preço do arroz Tai 100%B atingiu $ 414 contra $ 445 em junho.

O arroz parboilizado também caiu para $ 414 contra $ 445 anteriormente. O arroz quebrado A1 Super caiu para $ 365 contra $ 384. No início de agosto, os preços continuaram a cair devido à fraca demanda. No Vietnã, os preços de exportação caíram significativamente em 14%, sofrendo a maior queda desde setembro de 2019. O Vietnã procura reduzir sua diferença de preços com a Índia e a Tailândia, seus dois principais concorrentes, para impulsionar suas exportações, particularmente para o Sudeste asiático. As exportações subiram de 447.000 t em junho para 490.000 t em julho, mas ainda ficariam 10% atrás em relação ao ano passado na mesma época. Em julho, o Viet 5% marcou $ 409 contra $ 475 em junho. O Viet 25% foi negociado a $ 393 contra $ 459 anteriormente. No início de agosto, os preços ainda estavam enfraquecendo. No Paquistão, os preços do arroz caíram acentuadamente em 8%, aproximando-se dos preços indianos. As perspectivas de suprimento são boas graças ao aumento de 1,5% na produção em relação ao nível recorde de 2020. Entretanto, as exportações paquistanesas ainda continuam 12% atrás em relação a 2020 no mesmo período. Em julho, o Pak 25% foi negociado a $ 339 contra $ 369 em junho. No início de agosto, os preços ainda estavam fracos.

Na China, as autoridades pretendem alcançar a autossuficiência em grãos nos próximos cinco anos. Já a China continua exportando suas antigas safras de arroz. As disponibilidades exportáveis seriam de 7,5 Mt Por outro lado, a demanda de importação chinesa tende a diminuir e poderia atingir 2,7 Mt em 2021, o nível mais baixo dos últimos dez anos. Nos Estados Unidos, os preços do arroz caíram 3,5% em um mercado bastante ativo. Em julho, as exportações atingiram 285.000 t contra 245.000 t em junho. As exportações marcam assim um aumento de 3% em comparação ao ano passado na mesma época. Em julho, o preço indicativo do arroz Long Grain 2/4 marcou $ 595 contra $ 615 em junho. No início de agosto, o preço se manteve estável. Na Bolsa de Chicago, os preços futuros do paddy ficaram relativamente estáveis a $ 292 contra $ 290 anteriormente.

No início de agosto, os preços mostravam-se firmes para $ 295. No Mercosul, os preços de exportação permaneceram estáveis. A oferta de exportação é abundante graças às boas colheitas de 2021, especialmente no Brasil e no Uruguai. No entanto, as exportações brasileiras aumentaram pouco em julho e acusam um atraso de 56% em relação ao ano passado na mesma época. O preço indicativo do arroz paddy brasileiro caiu para $ 278/t contra $ 292 em junho. No início de agosto, o preço se recuperava para $ 296. Na África Subsaariana, os preços domésticos permaneceram estáveis na maioria dos mercados regionais graças ao abastecimento em arroz asiático. A tendência de queda dos preços mundiais estimula a demanda africana de importação e espera-se que atinja um volume recorde em 2021 de 17,8 Mt em comparação aos 15,6 Mt no ano anterior, já 37% das importações mundiais.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.