Preocupação agora passa a ser com a colheita

Agronegócio

Preocupação agora passa a ser com a colheita

Vencido o atraso no plantio, o La Niña impõe novos desafios
Por: -Luana Gomes
1935 acessos

Vencido o atraso no plantio, o La Niña impõe novos desafios. No Sul, aumenta o risco de estiagem e, no Centro-Oeste, o de excesso de umidade

O retorno das chuvas ao Centro-Oeste do país depois de mais de um mês de atraso coloca a safra brasileira de verão de volta nos trilhos. De Norte a Sul, plantadeiras avançam noite adentro para destravar os trabalhos. Com aproximadamente um terço da soja no campo, a semeadura evolui em linha com a média histórica no Brasil, apesar de alguns estados ainda apresentarem atraso. Os produtores consolidam suas apostas para o ciclo 2010/11, mas ainda não garantem os resultados da colheita. A safra ainda precisa vencer o La NiÑa.

O plantio na poeira foi o primeiro dos desafios impostos pelo fenômeno climático nesta temporada, alertam os meteorologistas. Segundo eles, a próxima prova de fogo ocorrerá na virada do ano na Região Sul. O La Niña aumenta o risco de estiagem entre dezembro e janeiro.

O alerta maior é para o Rio Grande do Sul, mas vale também para Santa Catarina, Paraná e para o sul do Mato Grosso do Sul, pontua Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista do Instituto Somar. “As chuvas tendem a ser mais escassas, abaixo da média, e mal distribuídas. As quebras devem ser pontuais, vão pegar mais quem não escalonou (o plantio)”, explica.

Para o Paraná, a falta de umidade nesta época pegaria boa parte das lavouras de soja e milho em fase suscetível. Depois de começarem com atraso, os trabalhos de plantio concentraram-se na primeira quinzena de outubro. Houve também concentração de ciclos produtivos. Os mais curtos têm a preferência do produtor, que tem pressa para semear o milho safrinha após a colheita da safra de verão.

Se a previsão de seca se confirmar, colocará em xeque o potencial produtivo da safra de verão paranaense e a produção estadual de soja e milho deve ficar abaixo das 19,2 milhões de toneladas previstas pela Expedição.

Em Mato Grosso, depois de perder alguns hectares para o algodão, a soja terá uma temporada de desenvolvimento tranquila, de acordo com a meteorologia. Pelo menos até a época da colheita, que pode ser prejudicada pelo excesso de chuva.

“Com a volta das chuvas agora em novembro, o clima não fica excepcional, mas melhora bastante no Centro-Oeste”, avalia Santos. Até o início da semana que vem, Mato Grosso, Goiás e o Norte de Mato Grosso do Sul receberão precipitações generosas, aponta previsão do Somar. O volume acumulado no período deve superar 100 mm em toda a região e passar dos 150 mm em algumas áreas.

Ainda ativo no outono, o La Niña pode comprometer também a segunda safra mato-grossense, alerta o meteorologista. “A safrinha do Centro-Oeste depende de umidade em abril e maio, mas nenhum dos modelos climáticos indica chuva nessa época na região”, relata.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink