Presidente da CNA defende fortalecimento das Federações Estaduais

Agronegócio

Presidente da CNA defende fortalecimento das Federações Estaduais

Senadora Kátia Abreu discute ações inovadoras de gestão com representantes de 16 unidades federativas
Por:
852 acessos
Senadora Kátia Abreu discute ações inovadoras de gestão com representantes de 16 unidades federativas
A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, defendeu, no último sábado (4-6), em Brasília, o fortalecimento das Federações Estaduais de Agricultura e Pecuária a partir de uma estratégia eficiente de gestão e planejamento. Na abertura de reunião de imersão que reuniu 16 presidentes ou representantes de Federações Estaduais de Agricultura e Pecuária, além de superintendentes ou representantes do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) nos Estados, a presidente da CNA ressaltou que esse processo depende das características específicas de cada Estado.

No encontro, realizado em um hotel da Capital Federal, a presidente da CNA afirmou que o objetivo do processo de fortalecimento é diminuir as diferenças entre as federações dos estados, garantindo, assim, melhores resultados para o sistema como um todo. "Nós não podemos ter uma desigualdade no nosso sistema, assim como temos trabalhado para reduzir a desigualdade entre os produtores rurais", apontou.

A senadora Kátia Abreu ressaltou, no entanto, que as 27 federações estaduais de agricultura têm apoiado as iniciativas lideradas pela CNA em favor dos interesses dos produtores rurais. Citou como exemplo a mobilização que reuniu mais de 24 mil produtores rurais em Brasília, em maio, em favor da proposta de atualização do Código Florestal brasileiro. A presidente da CNA acrescentou, ainda, que a entidade gostaria de ajudar ainda mais as federações estaduais, mas que as limitações orçamentárias impedem um trabalho mais intenso.

A iniciativa de debater um planejamento estratégico foi bem recebida por presidentes e representantes das federações. O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Espírito Santo (FAES), Júlio da Silva Rocha Júnior, comemorou a iniciativa da CNA de reunir as federações estaduais e lembrou que a credibilidade e a transparência do Sistema CNA/Senar garantiu o aumento da arrecadação e, assim, a aplicação dos recursos em medidas de apoio ao setor rural. "O crescimento é mérito de todos aqueles que não medem esforços na defesa dos produtores rurais", apontou. Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Roraima (FAERR), Almir Morais Sá, o encontro é uma oportunidade para troca de informações entre os estados e para ouvir relatos de experiências bem sucedidas, que poderão ser aplicadas a outras entidades estaduais. ¨Quem ganha é o sistema sindical rural como um todo¨, destacou.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amapá (FAEAP), Luíz Iraçu Guimarães Colares, afirmou que o sistema precisa estar preparado para uma nova realidade. "Ao longo dos anos, o sistema tem ampliado suas ações e sua exposição perante a sociedade. Para isso, nós precisamos estar preparados para acompanhar esse processo que envolve essa relação do Sistema CNA com a sociedade, sempre em busca dos resultados que interessam àqueles que nós representamos, os produtores rurais", completou. Na avaliação do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Paraíba (FAEPA), Mário Borba, a gestão inovadora a partir de um planejamento estratégico é um caminho natural, ao qual as federações devem se adequar. ¨Não se chega a lugar algum sem planejamento estratégico, que envolve não apenas a gestão de pessoas e recursos, mas a integração com as esferas do poder público e com todo o Sistema S. Com planejamento e força de vontade, alcançamos nossos objetivos¨, enfatizou.

Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal (FAPE-DF), Renato Simplício Lopes, o setor precisa ter uma meta a ser alcançada para se ter um planejamento estratégico. ¨Só há bons ventos para quem sabe onde quer ir. Quem não sabe, qualquer vento serve. Com esse tipo de discussão, podemos estabelecer esse norte e, portanto, uma estratégia adequada para se ter um caminho eficiente para atingir um objetivo¨, frisou. Segundo o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Maranhão (FAEMA), José Hilton Coelho de Sousa, o planejamento estratégico passa necessariamente pelo fortalecimento das relações com os sindicatos rurais, que representam os produtores rurais nos municípios. ¨Só teremos uma federação forte com um sindicato forte¨, afirmou.

Já o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (FAEA), Muni Lourenço Silva Júnior, a iniciativa da inovação deve partir do sistema sindical rural. ¨Só nós que estamos nas bases sabemos o que deve ser feito para aprimorar nossa gestão. Por isso é fundamental reunir as federações para trocarmos idéias¨, disse. Na opinião do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC), Flávio Viriato de Saboya Neto, o encontro entre as federações para discutir o planejamento estratégico é um importante passo para socializar a realidade difícil enfrentada muitas delas. ¨Esperamos aqui buscar idéias para ter o suporte necessário para superar nossas dificuldades¨, disse.

Durante o encontro, o consultor Antonio Reginato, da empresa Cordioli, especializada em motivação de processos participativos, defendeu o planejamento de longo prazo e a definição de "grandes objetivos". Ressaltou, também, que o trabalho das federações estaduais de agricultura e dos sindicatos rurais está interligado e a importância da cooperação, inclusive de outros grupos, como é o caso da igreja.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink