Principais países produtores de carne devem ser unidos, afirma presidente da Acrimat em reunião da IBA

Agronegócio

Principais países produtores de carne devem ser unidos, afirma presidente da Acrimat em reunião da IBA

A união dos principais países produtores de carne bovina é necessária para que haja um alinhamento da categoria
Por:
255 acessos

A união dos principais países produtores de carne bovina é necessária para que haja um alinhamento da categoria. Tal ponto foi uma das colocações do presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), José João Bernardes, durante a conferência anual da Aliança Internacional da Carne Bovina (International Beef Alliance – IBA), em Taupo, na Nova Zelândia. A associação mato-grossense é representante do Brasil na Aliança que discute assuntos como a produção de carne sustentável, além da liberação do comércio e o desenvolvimento de lideranças.

A IBA é formada por presidentes e CEO's das principais entidades representativas dos produtores de carne bovina da Austrália, Brasil, Canadá, México, Nova Zelândia, Paraguai e Estados Unidos. Em julho, representantes de cada país estiveram em Mato Grosso, como o Agro Olhar já havia comentado, para conhecer de perto como funciona o sistema pecuário bovino do estado.

As sete nações que formam a Aliança Internacional da Carne Bovina (International Beef Alliance – IBA) representam hoje 46% da produção mundial e 63% das exportações de carne bovina.

O presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), José João Bernardes, pontua que “Imaginamos que todos temos um único negócio – a produção de carne bovina, e que o nos une sempre é mais importante que o que nos separa. As conquistas dependem desse alinhamento".

Ainda conforme Bernardes, "Na condição de produtores e maiores comercializadores de carne do mundo, é importantíssimo que alavanquemos o processo de crescimento e nos debrucemos sobre ações em conjunto que possam manter a sustentabilidade e longevidade desse negócio”.

O Brasil conta hoje com o maior rebanho comercial do mundo com 209,13 milhões de cabeças distribuídas 167,7 milhões de hectares de área de pastagens. Ao ano mais de 39 milhões de cabeças são abatidas. A produção total de carne bovina para consumo soma 9,6 milhões de toneladas, das quais 18,6% são exportadas para mais de 100 países, como Venezuela e Rússia, enquanto os demais 81,4% atendem ao mercado interno.

Somente Mato Grosso produz em torno de 29,5 milhões de cabeças de gado em aproximadamente 25 milhões de hectares de pastagem. O estado é detentor do maior rebanho nacional comercial e abate em média 5 milhões de cabeças ao ano.

De acordo com o superintendente da Acrimat, Francisco Manzi, esse é o primeiro ano em que o Brasil participa da conferência anual da IBA como membro efetivo. O Brasil até 2015, na reunião que ocorreu no México, participava apenas como membro observado, vindo a ter sua inclusão oficializada durante tal encontro. "Esse ano pudemos receber os CEO’s em Cuiabá, apresentar nossa estrutura de produção, sanidade animal e comercialização. O próximo passo é integrar também as demandas brasileiras a agenda da Aliança, como é o caso do impacto dos estudos sobre consumo de carne, circulação de materiais genéticos, entre outros”.

O anfitrião do evento e presidente da Beef + Lamb New Zealand, James Parsons, afirma que discutir e traçar estratégias para reforçar os processos de produção e consumo da cadeia mundial carne bovina é o foco da Aliança.

Visita em Mato Grosso

No dia 18 de julho deste ano um grupo de representantes de cada país que compõe a IBA realizaram uma visita técnica a uma propriedade em Santo Antônio do Leverger. Na ocasião o grupo de representantes internacionais conheceram de perto a produção estadual no modelo de semiconfinamento a pasto, com uso proteinado, e a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

Entre os pontos da pecuária brasileira que chamaram a atenção dos representantes das entidades internacionais está o fato de 90% da criação de gado ser à pasto (nos Estados Unidos, por exemplo, é 97% da criação em confinamento), além da diversidade de raças e o sistema de integração com a floresta.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink