Produção de carne suína na UE pode aumentar 0,5% em 2020
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,666 (-0,38%)
| Dólar (compra) R$ 5,50 (0,65%)

Imagem: Pixabay

MERCADO EXTERNO

Produção de carne suína na UE pode aumentar 0,5% em 2020

Os exportadores da UE se beneficiaram da forte demanda da China
Por:
225 acessos

A produção de carne de porco na UE diminuiu ligeiramente no primeiro trimestre de 2020, caindo cerca de 0,5% em comparação com o mesmo período do ano anterior, como resultado de quedas na Polônia (-8,2% ) e na Itália (-20%). O crescimento da produção, apoiado por preços altos, foi forte em outros produtores-chave da UE, com uma recuperação na Alemanha (+ 1,1%) e na Dinamarca (+ 2,7%) e com um forte aumento contínuo nos Países Baixos e na Espanha (ambos + 4,4%). Na França, foi registrado um aumento modesto de 0,6%), de acordo com o último relatório de previsão de curto prazo preparado pela Comissão Europeia.

Os exportadores da UE se beneficiaram da forte demanda da China (exceto da Polônia devido à propagação da peste suína africana), que compensou a queda na demanda de outros destinos importantes (Reino Unido, Japão, Coréia do Sul, Estados Unidos). , Filipinas e Austrália).

A produção de suínos deve aumentar levemente em 2020 (+ 0,5%). Será apoiado por preços favoráveis, retorno à demanda do consumidor e fortes perspectivas de exportação, que poderão crescer 10% acima do nível de 2019, principalmente para a China. No entanto, todas as previsões estão condicionadas à evolução do PSA.

O consumo per capita na UE pode cair abaixo de 30 kg em 2020 devido à menor demanda durante o confinamento. Com a persistência do PSA na China , os especialistas estão considerando uma nova redução no censo suíno que levaria a uma queda na produção de suínos de 15 a 25% em 2020 e, portanto, a mais importações.

As importações chinesas de carne de porco cresceram enormemente até abril (170% no comparativo anual), beneficiando a UE (+ 150%) e outros fornecedores importantes (EUA, Brasil e Canadá). As cotas de importação na China aumentaram nos últimos países (19%, 9% e 7%, respectivamente) em detrimento da UE (55%). A demanda por miudezas também aumentou, mas principalmente em benefício da UE. A magnitude sem precedentes dos recentes fluxos comerciais de carne suína para a China pode diminuir no segundo semestre, exigindo o consumo de outras carnes (importadas).


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink