Produção de milho em 2011 fica estável em relação a 2010, diz IBGE
CI
Agronegócio

Produção de milho em 2011 fica estável em relação a 2010, diz IBGE

Redução da área foi compensada por melhor produtividade
Por:
Rio de Janeiro - Os dados relativos à Produção Agrícola Municipal 2011 (PAM), divulgados nesta sexta-feira (26-10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam que a produção de milho cresceu apenas 0,5%, ficando praticamente estável em relação à produção de 2010.


Ainda assim, a área plantada sofreu uma redução de 4,7% (617.803 hectares), dando lugar principalmente à soja, já que os preços da cultura não estavam atrativos na época do plantio da primeira safra – ao contrário do preço internacional da soja. A redução da área cultivada de milho, no entanto, foi compensada por uma melhor produtividade, devido às boas condições climáticas.

Já na implantação da segunda safra, a conjuntura econômica melhorou com a redução dos estoques internacionais, a quebra da safra norte-americana e o aumento das exportações brasileiras, o que incentivou os produtores que aumentaram a área de plantio, avaliou o IBGE. O instituto, no entanto, constatou que houve, pontualmente, uma redução de rendimento em algumas localidades, registrada na segunda safra. “O atraso do plantio em alguns estados e as geadas na Região Sul reduziram o rendimento da segunda safra.”


Apesar da estabilidade da produção de 2010 para 2011, o aquecimento do mercado, com o aumento da demanda externa, proporcionou um crescimento no valor da produção de 46,4%. Dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio indicam que as exportações atingiram 9,5 milhões de toneladas, o que justificou o aumento do valor da produção.

No caso do arroz, mais uma vez, as condições climáticas favoráveis, desde a semeadura até o final da safra, nas principais regiões produtoras, levou a uma safra recorde de 13,5 milhões de toneladas – crescimento de 19,9%.

Em contrapartida, a produção recorde – somada ao estoque de passagem, às importações e à estabilização da demanda interna em patamar inferior à oferta do produto – gerou uma forte depreciação dos valores pagos aos produtores, o que reduziu o valor da produção em 5,7% - rebaixando o produto da sexta para a oitava colocação na classificação pelo valor da produção.


O feijão também apresentou um crescimento na sua produção de 8,8%, devido, principalmente, à expansão da área plantada de 6,9%, fruto dos bons preços alcançados no mercado, na implantação da primeira safra do produto. Isso não ocorreu nas demais safras, desestimulando os feijicultores, que reduziram as áreas cultivadas em relação a 2010.

Edição: Lana Cristina

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink