Agronegócio

Produção de ovos cresce 31% em MT

O volume é equivalente a 42,50% do total produzido no Centro-Oeste
Por: -Silvana Bazani
1314 acessos
Mato Grosso fechou 2011 com aumento de 31,59% na produção de ovos de galinha. No ano passado foram produzidas 140,858 milhões de dúzias, contra 107,035 milhões no penúltimo ano. O volume é equivalente a 42,50% do total produzido no Centro-Oeste, que somou 331,421 milhões de dúzias no mesmo período. Quantidade informada refere-se apenas aos estabelecimentos com plantel superior a 10 mil galinhas poedeiras. No Estado eles somaram 106 unidades, sendo 13,97% a mais que o registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010.


Estes estabelecimentos reuniam 27,028 milhões de galinhas poedeiras até o final do ano passado, quantidade 27,18% maior que o apontado em 2010, suficiente para responder por 42,39% do plantel existente em todo Centro-Oeste (63,750 milhões) e por 5,62% do total nacional (480,836 milhões) em 2011. Proximidade com a produção de grãos, necessários à fabricação de ração animal, tem atraído investimentos para avicultura no Estado, explica o presidente da Associação Mato-grossense de Criadores de Aves (Amav), Tarcísio Schroeter. Além da pesquisa do IBGE, a implantação de novas granjas em Mato Grosso demonstra isso. Atualmente há 9 granjas e, este ano, será instalada mais uma no município de Vera, a 480 km de Cuiabá. Schroeter lembra ainda que o Estado sedia uma unidade da Granja Mantiqueira, em Primavera do Leste, onde está reunida a maior quantidade de galinhas poedeiras do país, com 4,8 milhão de aves. Presidente da entidade lembra que o farelo de soja e o milho responde por metade do custo de produção na avicultura.

“O principal fator que faz aumentar a produção estadual é o custo da ração, que aqui é o mais barato do Brasil”. Produção mato-grossense de ovos tem suprido o consumo em todo país, além de abastecer o mercado interno. Na última quinzena, houve escassez do produto no mercado, revela o gerente da Cooperativa Agrícola Mista de Várzea Alegre (Camva), Arnaldo Taso. Motivo foi a demanda provocada pela Quaresma, quando o consumo de ovos aumenta em média 30%.


Neste período, a Camva importou o produto de granjas de São Paulo. “Os fornecedores do próprio Estado não tinham para nos atender”. Cooperativa fornece no atacado, atendendo supermercados e panificadoras. Com o aumento no consumo, os preços reagiram e a caixa contendo 30 dúzias está sendo comercializada a R$ 60, alta de 33,33%. “Antes da Quaresma, os preços haviam baixado”. Na época, a mesma quantidade era vendida por R$ 45. “Não deve cair tão rapidamente agora”.

Mas, segundo o presidente da Amav, logo após a Quaresma já foi registrada redução média de 5% nos preços dos ovos e que muitas granjas estão comercializando a caixa contendo 30 dúzias por R$ 55. Para Schroeter, o aumento da concorrência tem refletido nos preços do produto. “Mas, o que mais regula mesmo é o mercado, por

ser um produto muito perecível, não é possível estocar. Se produz tem que vender”.

Gerente de vendas da granja Mantiqueira, Thaisa Pinto da Silva, diz que pela unidade em Primavera do Leste são produzidos 2,5 milhões de ovos ao dia e meta é aumentar para 3,6 milhões diariamente, total de 10 mil caixas de ovos/dia. “Atendemos o Brasil inteiro, com exceção do Sul do país.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink