Produtores ainda não conseguem romper o ciclo de vida das moscas-brancas e altas infestações ameaçam a soja

CONTROLE

Produtores ainda não conseguem romper o ciclo de vida das moscas-brancas e altas infestações ameaçam a soja

Quando o manejo contra esta praga não é realizado da maneira correta, a produtividade dos grãos sai “voando pelos ares”
Por:
6868 acessos

Como combater a mosca-branca de vez? Esta é dúvida que está presente no dia a dia de agricultores aos produtores de animais do Brasil todo, principalmente dos profissionais envolvidos na cultura da soja. Quando o manejo contra esta praga não é realizado da maneira correta, a produtividade dos grãos sai “voando pelos ares”. “A mosca-branca suga a seiva e expele um líquido açucarado. Esses açúcares acabam caindo na folha do terço médio baixeiro da planta, e isso favorece o aparecimento de fungos oportunistas, do gênero Capnodium, que levam ao surgimento da fumagina”, explica Germison Tomquelski, pesquisador da Fundação Chapadão.

A fumagina recobre as folhas de soja, impedindo a fotossíntese, o que leva a quedas de produtividade. “Este hoje é o grande problema com a mosca-branca no Brasil e pode levar as quebras que variam de 10% a 50%. O produtor ‘perdeu a mão’ e, consequentemente, vai perder na produtividade”, lamenta Tomquelski. Além destes danos diretos, a mosca-branca ainda prejudica as lavouras por meio da transmissão de viroses. “Ela leva 16 horas para se alimentar e transmitir o vírus, é muito rápido. E as plantas de soja hoje no Brasil estão muito suscetíveis a essa questão da virose. Então, existe um problema aí à vista que precisamos trabalhar mais intensivamente, para que os produtores brasileiros não sejam pegos de surpresa. É um problema mais novo e que deve ser trabalhado pela parte da pesquisa”, completa.

Segundo o especialista, diversos inseticidas disponíveis hoje no mercado brasileiro apresentam controle somente sobre os adultos de moscas-brancas. “São utilizados neonicotinoides ou misturas de piretroides com neonicotinoides, para o controle de percevejos, e muitas vezes, subentende-se que está sendo feito um controle de mosca-branca, com esses tipos de produtos. Claro, existem produtos que têm uma ação maior sobre a praga, comparada a esses outros. Mas, desta forma, ainda não é possível quebrar o ciclo da praga, fazendo com que tenha sobras e em determinados momentos se acumulam e levado a altas infestações, e prejuizos”.

Durante as altas infestações, produtores buscam soluções com agrônomos ou técnicos de campo para aprimorarem o manejo, mas neste momento pode ser tarde demais combater os prejuízos. “Com os altos índices de mosca-branca, fica difícil você controlar, assim presenciamos um dano às plantas de soja. Esses danos levam à queda de produtividade. Essas sobras são um grande problema, porque muitas vezes o produtor chega tarde para controlá-las e precisa de inseticidas que tenham uma boa ação-eficiência. Preconizamos da necessidade de fazer na hora certa, momento correto para atender às expectativas do produtor”, observa Tomquelski.

Segundo ele e sua experiência em campo, os produtores de soja esperam por novos produtos com boa ação de controle da mosca-branca. “Soluções inovadoras protegem o investimento do produtor, que, na cultura da soja, não é baixo. Hoje os custos vêm aumentando, principalmente com adubo, insumos, operações, e o produtor precisa proteger seu investimento. Um novo inseticida com nova molécula viria de encontro com as necessidades do produtor para fazer essa proteção”, completa.

IHARA lança no Brasil molécula inédita e exclusiva no combate às pragas 

Há mais de 50 anos no mercado, a IHARA desenvolve soluções para proteção da agricultura brasileira, sendo hoje uma das principais plataformas do mercado nacional à inovação e qualidade das empresas internacionais de proteção de cultivos. Acompanhando as demandas do campo, a IHARA traz ao Brasil a molécula inseticida Dinotefuran, inédita e exclusiva no combate às principais pragas da agricultura. 

As pesquisas sobre a efetividade da molécula no controle de pragas foram iniciadas no Brasil na década de 1990. Desde então, sua alta e rápida eficiência no controle de sugadores, tanto de percevejos quanto de mosca-branca, já foi comprovada. Além disso, Dinotefuran possui solubilidade e sistemicidade superior aos demais grupos de moléculas semelhantes. Esta molécula exclusiva e inédita no Brasil já é utilizada nos Estados Unidos, Austrália, China, Indonésia e Japão.

Para combater cigarrinhas, a força de Dinotefuran estará presente em Maxsan. O inseticida com poder de outro mundo no combate às pragas apresenta um novo patamar de produtividade às lavouras. Além de Maxsan, focado no combate de todas as fases da mosca-branca e também da cigarrinha, o portfólio dos produtos movidos a Dino completa-se com os lançamentos Zeus, que agrega superioridade no controle de percevejos; e Spirit SC, que tem como alvo as principais pragas do café, o bicho-mineiro, ferrugem e a cigarra do café.

Para saber mais, acesse: www.protejaseucultivo.com.br/maxsan-soja.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink