Produtores conhecem técnica de inseminação/CE

Agronegócio

Produtores conhecem técnica de inseminação/CE

Técnica de inseminação artificial com diluição do sêmen em água de coco é mostrada no Centro-Sul
Por:
224 acessos

Em parceria com a Universidade Estadual do Ceará (Uece), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifet), campus de Iguatu, realizou um dia de campo com alunos e produtores de ovinos e caprinos para divulgar e incentivar a técnica de inseminação artificial com diluição do sêmen em água de coco. A idéia é melhorar a qualidade do rebanho com redução de custo.

A orientação sobre a técnica foi dada pelo veterinário e professor da Uece, José Ferreira Nunes, que é o detentor da pesquisa no Brasil, que usa água de coco para diluição e conservação do sêmen de reprodutores ovinos e caprinos.

Esse estudo, em parceria com a França, resultou na primeira patente biológica obtida pelo Brasil e que é hoje reconhecida internacionalmente.

Segundo o professor José Nunes, para o preparo da solução diluidora se faz necessário usar apenas citrato de sódio, água destilada e de coco. O sêmen diluído nessa solução com a água de coco, a 4°C, tem maior resistência, em torno de 60 horas, enquanto que nas soluções tradicionais dura apenas 24 horas. "Além reduzir o custo, essa solução tem uma maior eficiência", explica Nunes. De um litro de água de coco retira-se 200ml de solução.

O professor Nunes mostra-se preocupado com a necessidade de difusão da tecnologia e de seu uso pelos criadores. "Não adianta produzir tecnologia de conservação do sêmen de caprinos em água de coco, um método reconhecido mundialmente, se a gente não tiver acesso aos produtos", observou. "Esses avanços precisam chegar ao conhecimento dos pequenos produtores para ampliar a renda familiar", destacou.

Patente

A patente da pesquisa sobre a diluição e a conservação de sêmen de ovinos e de caprinos em água de coco foi realizada no exterior e os direitos serão divididos entre a Empresa de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), onde o professor José Nunes trabalha, e o Instituto de Pesquisas Agropecuárias da França, na qual o cientista fez sua formação em nível de pós-doutorado.

A parceria entre o Ifet de Iguatu e a Uece teve por objetivo capacitar os alunos do curso de Agropecuária para o manejo adequado da inseminação em ovinos e caprinos e divulgar essa nova tecnologia para os criadores. Os alunos receberam certificados de capacitação e estão aptos para aplicar esse novo manejo em unidades agropecuárias da ovinocaprinocultura na região Centro-Sul.

O diretor local do Ifet de Iguatu, Ivam Holanda, destacou a importância da parceria com a Uece, que permite a divulgação de novas técnicas para os alunos, ampliação do nível de aprendizagem, além de contribuir para o crescimento do setor na região. "A escola tem o papel de fomentar e divulgar novas técnicas", observou Holanda.

Animais pertencentes a criadores locais foram inseminados por meio dessa nova tecnologia trazida pelo professor Nunes Ferreira. Os produtores mostraram-se satisfeitos.

"É um método fácil e oferece ganhos para o setor", destacou o presidente da Unidade de Pecuária Iguatuense (Upeci), Mairton Palácio. De acordo com ele, "a maioria dos pequenos criadores não possuem condições de ter um reprodutor de alta qualidade genética".

Melhoria racial

Adquirir o sêmen em um banco especializado favorece a melhoria racial do rebanho, reduz custo e permite ampliar a renda a partir da venda de animais de melhor padrão genético, fruto da inseminação artificial.

José Ferreira Nunes é também coordenador do Núcleo Integrado de Biotecnologia da Faculdade de Veterinária da Uece, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Rede Nordeste e pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e tecnológico ( CNPq).

A inseminação artificial é um método de reprodução pelo qual é coletado o sêmen do macho e, com a utilização de uma seringa especial, introduzida diretamente dentro do útero ou da vagina da fêmea, segundo a espécie, acontece a fecundação sem que tenha havido qualquer contato entre os animais. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink