Produtos orgânicos sem certificação podem ser excluídos de canais de venda

Agronegócio

Produtos orgânicos sem certificação podem ser excluídos de canais de venda

Agricultores devem agora procurar agências certificadoras
Por: -Karla Lucena
1156 acessos

Prazo para cadastro no Ministério da Agricultura terminou no fim de dezembro; produtores devem agora procurar agências certificadoras

A exigência da certificação para os produtos orgânicos, em vigor desde o começo deste ano, pode significar a exclusão de uma grande parcela de produtores que ainda não conseguiram regularizar sua situação. O alerta é do gerente da Unidade de Atendimento Coletivo - Agroindústria (UAGRO) do Sebrae, Paulo Alvim.

A procura pelos chamados alimentos saudáveis tem impulsionado nos últimos anos a produção de produtos sem agrotóxicos e fertilizantes no Brasil. Hoje o cultivo de orgânicos representa uma das principais fontes de renda para os produtores. Nem todos, porém, têm sua produção certificada.

“O número de certificações aumentou, mas o mercado está em plena expansão. Esses produtores que não conseguiram o certificado podem ficar sem lugar para comercializar seus produtos; para eles, vão sobrar as feiras livres”, observou Paulo Alvim.

Documentação

A certificação dos produtos orgânicos passou a ser exigida pelo Ministério da Agricultura em 2009. Os produtores tiveram prazo até 31 de dezembro passado para se cadastrar no Ministério. Segundo o primeiro balanço do governo, 1,5 mil produtores já estão regularizados e outros 3,5 mil aguardam o final do processo de cadastramento.

Aqueles que ainda não se cadastraram precisam, agora, procurar uma agência certificadora credenciada pelo Ministério, arcando com os custos do procedimento. Sem a certificação, o produtor fica impedido de exportar ou vender seus produtos para supermercados, por exemplo. Ele pode, porém, vender em feiras livres ou diretamente ao consumidor, a domicílio. Mas, para isso, deve se cadastrar no hotsite do Ministério (www.prefiraorganicos.com.br).

Paulo Alvim explicou que as maiores dificuldades para obter a documentação nas empresas certificadoras são o custo e o tempo que leva o processo. Afirmou também que o Sebrae vai continuar apoiando os produtores na capacitação para que consigam atender a todas as exigências estabelecidas pelas novas regras.

O produtor que precisar de mais orientações sobre o processo de regularização pode também procurar as superintendências federais do Ministério da Agricultura.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink