Agronegócio

Projeto estimula criação de rede de comunicação com participação da extensão rural

Agenda de atividades definida com tempo para cumpri-la, em função de um diagnóstico rápido participativo foi o resultado da articulação de técnicos da Ematerce.
Por:
879 acessos

Agenda de atividades definida com tempo para cumpri-la, em função de um diagnóstico rápido participativo, foi o resultado da articulação de técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce) e radialistas da região do Cariri cearense em favor do desenvolvimento regional.

Este foi um dos resultados da Oficina de Comunicação, Desenvolvimento e Extensão Rural realizada nos dias 22 e 23 de junho no campus do Instituto Federal de Educação, Ciência Tecnologia do Ceará no Crato (CE), dentro das ações do Projeto Ações de Capacitação e de Divulgação de Informações Tecnológicas em Apoio à Inclusão Produtiva Rural no Plano Brasil Sem Miséria (PBSM), liderado pela Embrapa Informação Tecnológica (Brasília, DF) em parceria com Unidades do Nordeste, entre elas a Embrapa Caprinos e Ovinos (Sobral, CE) organizadora do evento no Crato.

Os participantes da Oficina, que contou com o apoio do IFCE, cumpriram uma agenda de trabalhos voltada para a integração entre as atividades de extensão e de comunicação, que desencadeou na criação na formação imediata de uma rede online, reunindo comunicadores sociais (de rádios comunitárias, da Embrapa e do IFCE) e extensionistas da Ematerce.

Foram definidos compromissos objetivos da comunicação local e regional, acoplados às políticas de assistência técnica, da produção agropecuária e da sustentabilidade ambiental no Cariri. A metodologia de trabalho proposta pela Embrapa levou a que os agentes fizessem os compromissos com ações estratégicas a serem realizadas em tempo determinado por eles mesmos.

Na avaliação dos participantes, a perspectiva de integração entre comunicação, pesquisa e extensão rural foi um dos pontos fortes do evento. "Percebemos a potencialidade que é reunir essas partes, técnicos, radialistas, comunicadores, para que o homem do campo tenha benefícios", avaliou Alcione Santos, radialista da Juazeiro FM. "Foi um encontro de extrema importância para o dia a dia de nossas atividades como extensionistas", disse José Acácio Lima, engenheiro agrônomo da Ematerce. "São muito temas importantes para o produtor rural, que pudemos debater e sair daqui com várias demandas", destacou Henrique Santos, radialista da FM São Francisco.

Capacitação

Nos dois dias de evento a oficina, conduzida pelos jornalistas Antônio Heberlê, da Embrapa Informação Tecnológica (Brasília-DF) e Adilson Nóbrega, da Embrapa Caprinos e Ovinos (Sobral-CE), também se destinou à capacitação, com discussões sobre metodologias de abordagem, criação de aplicativos funcionais para rádios e fundamentos básicos para redação de notas para rádios. Uma das atividades práticas, realizada no dia 23, foi a visita orientada à unidade experimental do projeto Reniva, localizada no campus do IFCE.

A unidade concentra variedades de mandioca, compondo material genético de qualidade, na propagação de mudas para agricultores da região do Cariri cearense. "Não conhecia este programa e fiquei muito satisfeito. Nem sempre o produtor local tem acesso a sementes de boa qualidade para desenvolver o plantio da mandioca e com essas tecnologias temos material que pode garantir produção no período de estiagem. É uma ação de fundamental importância", elogiou Ladislau de Sousa, engenheiro agrônomo da Ematerce.

Ao final da visita guiada, os participantes fizeram um exercício de redação de informações para rádio. Para Joaquim Valdevino Neto, engenheiro agrônomo do IFCE que conduziu a visita ao campo experimental, essa metodologia foi importante não somente para disseminar informações sobre o projeto Reniva, mas também para integrar "pesquisa, extensão, educação e comunicação, abrindo leque para que a gente trabalhe junto ao homem do campo, levando a informação de como a tecnologia desenvolvida traz resultado positivo e produtividade".

Os jornalistas Antônio Heberlê e Adilson Nobrega, instrutores da oficina, avaliam que os objetivos foram plenamente atingidos e de forma muito pragmática, pois houve a participação e comprometimento dos comunicadores e extensionistas. Para os jornalistas, que lideram atividades nos projetos do PBSM, esses públicos são estratégicos no processo de transferência de tecnologia, intercâmbio, construção do conhecimento e comunicação na Embrapa.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink