Projetos do agronegócio mostram vocação do PR para inovar no campo

Agronegócio

Projetos do agronegócio mostram vocação do PR para inovar no campo

Produtores rurais de todo PR se reuniram para o evento de encerramento do programa Empreendedor Rural
Por:
488 acessos

Na sexta-feira (2), produtores rurais de todo Paraná se reuniram em Curitiba para o evento de encerramento do programa Empreendedor Rural. O projeto de formação e desenvolvimento de lideranças destaca as melhores ações, ideias ou projetos que melhoram a vida no campo. Soluções, muitas vezes simples, de quem vive o dia-a-dia da atividade, com muita inovação e criatividade. O que chamou atenção, no entanto, foi presença maciça de representantes de todas as regiões e municípios do Paraná. A cada caravana que chegava, o ExpoTrade Pinhais, local de realização do evento, ficava pequeno.

Quase que faltou espaço para comportar os mais de cinco mil agricultores. E olha que o lugar não é pequeno. Era gente de todas as idades. Homens, mulheres, jovens, gerações de agricultores. De um povo que vive do campo, de plantar e colher, cuidar do gado e da granja, faça chuva ou faça sol, 365 dias por ano. Porque dentro da porteira não existe férias. Porque essa é a sua vocação. Porque essa é a vocação do Paraná. E do Brasil.

O Empreendedor Rural mostra, no entanto, que apesar de qualquer estereótipo que esse ambiente possa sugerir, o produtor rural está conectado com o mundo além da enxada. Até como condição à sobrevivência, está cada vez mais organizado e, política e institucionalmente falando, mais representado. Assim como mais tecnificado e com mais acesso à informação.

Reforçando, eles eram cinco mil. Em uma distribuição racional por município, seria como 12,5 representantes para cada um dos 399 municípios do Paraná. Que em uma demonstração de força e organização se reuniram para celebrar conquistas, pautar desafios e, principalmente, empreender, motivados pela sua representação maior, o Sistema Faep/Senar, da Federação da Agricultura do Estado do Paraná.

Os projetos vencedores propõem iniciativas e investimentos em ações de manejo e tecnologia. Um para melhorar o desempenho do rebanho leiteiro, outro na área de frutas e hortaliças e o terceiro com foco em diversificação da pequena propriedade.

Cooperativas

E esta semana tem mais. Na próxima sexta-feira (9) é a vez do Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, no Teatro Positivo. São esperadas duas mil pessoas, também de todo o estado. Seja no Encontro de Cooperativistas ou no Empreendedor Rural, público similar e energias que se complementam. Pelo menos no Paraná, não dá para imaginar cooperativa sem produtor ou produtor sem cooperativa.

Organizado pelo Sistema Ocepar/Sescoop, da Organização das Cooperativas do Paraná, o encontro de sexta-feira coloca em discussão o futuro do cooperativismo no estado, uma pauta que passa pelo PRC100, estratégia que tem como meta alavancar o faturamento desse segmento da casa dos atuais R$ 60 bilhões para R$ 100 bilhões.

As mulheres

Maioria entre a população brasileira, como as mulheres se inserem nesse contexto do agronegócio? Um levantamento feito pela ONG britânica Oxfam, que também atua no Brasil, revela que apenas 5% das propriedades são comandadas por produtoras rurais. A diretora executiva da entidade no país, Katia Maia, entende que o domínio masculino em relação à posse dos estabelecimentos rurais, tanto em número quanto em tamanho da terra, acentua as desigualdades de gênero no país.

Na prática, porém, a realidade é outra. E precisa ser avaliada a partir de um novo horizonte, não necessariamente do comando ou então da figura do titular da propriedade rural. Mas, sim, da participação da mulher no contexto da atividade, onde ela está cada vez mais presente. Da economia doméstica à preocupação com a sucessão, a proprietária da fazenda ou então a mulher do dono, assim como a filha do dono, estão se envolvendo mais com assuntos agronômicos, de tecnologia e de mercado.

Quem foi ao ExpoTrade no Empreendedor Rural e quem for ao Teatro Positivo para o Encontro dos Cooperativistas vai saber do que estamos falando. Um universo onde pouco importa quem é o dono ou então questões de desigualdade de gênero. O que se trabalha aqui é a igualdade de condições, de forma que todos possam dar a sua contribuição.

 

Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink