Queijos e vinhos da Embrapa são tema de oficina de harmonização

Agronegócio

Queijos e vinhos da Embrapa são tema de oficina de harmonização

A Embrapa participaram do II Congresso Internacional de Gastronomia e Ciência de Alimentos.
Por:
347 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

A Embrapa Agroindústria Tropical, a Embrapa Caprinos (Sobral, CE) e a Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves, RS) participaram do II Congresso Internacional de Gastronomia e Ciência de Alimentos com a oficina "A harmonização Norte Sul: uma combinação perfeita entre os queijos nordestinos e os vinhos do Brasil". A oficina foi ministrada pelo professor de Gastronomia e Sommelier Renato Brasil e teve a participação das pesquisadoras Aline Costa da unidade de Sobral e Selene Benevides, da unidade de Fortaleza.

O objetivo do curso foi perceber e aguçar os sentidos sobre os vinhos do Sul e descobrir quais combinam com os queijos do Nordeste. "Muitas pessoas têm preconceito com os produtos de origem caprina. Então a ideia de trazer os queijos de um projeto de pesquisa que a Embrapa está realizando é importante para que quem está aqui saiba que o queijo caprino é tão saboroso quanto o queijo de vaca", diz a pesquisadora Selene Benevides, que participa do projeto de Transferência de Tecnologia de Queijos Caprinos para validação.

Essa tecnologia rendeu participação em oito congressos, abrangendo pesquisas nos estados do Ceará, Paraíba e São Paulo. Foram trabalhados no Congresso quatro tipos de queijo: caprino cremoso probiótico, caprino coalho tradicional, caprino coalho com óleo de pequi e o queijo caprino maturado e defumado. "Alguns participantes até se interessam em virar produtores dos queijos, então vejo essa participação da Embrapa de forma positiva", afirmou a pesquisadora Aline Costa.

A oficina

Contabilizando mais de 40 participantes, a oficina conduzida pelo sommelier Renato Brasil contou com diversas fases. Na primeira delas, era necessário analisar através de uma avaliação sensorial os vinhos: sentir o cheiro, analisar textura, cor e depois o gosto. "Nós precisamos aguçar todos os nossos sentidos, trabalhar a sensibilidade para que possamos processar a informação e conhecer melhor o tipo de vinho que estamos comprando e consumindo", disse o palestrante.
Ao final, os quatros queijos foram combinados um por um com os vinhos, até os participantes encontrarem a harmonização ideal. Segundo o professor, é muito difícil encontrar o queijo ideal para o vinho ideal. Mas, a melhor solução é a combinação em que um não tire o sabor do outro.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink