Recuperação do setor de cana pode começar pelo etanol

Agronegócio

Recuperação do setor de cana pode começar pelo etanol

Divulgação das revisões nos indicadores de produção sucroenergética
Por:
810 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Mesmo depois de sinalizar um déficit de 2,46 milhões de toneladas de açúcar no mercado externo para a safra 2014/2015, o presidente da consultoria Datagro, Plínio Nastari, divulgou no dia (4/9) revisões nos indicadores de produção sucroenergética e afirmou que "a recuperação do setor deve começar pelo etanol e, então, caminhar para o açúcar".

De acordo com as novas projeções, a produção do biocombustível no Centro-Sul será de 24,02 bilhões de litros, contra os 23,3 bilhões de litros estimados no primeiro semestre deste ano.

Já o açúcar deve chegar a 32,8 milhões de toneladas, ante as 34,2 milhões de toneladas produzidas no período de 2013/2014. A commodity já chegou a ser estimada em 33,2 milhões de toneladas para este ano safra.

Nastari afirma que mercado açucareiro internacional ainda está muito estocado e nem os índices de exportação para a China foram suficientes para dar ânimo às projeções. Segundo o presidente, o Brasil responde por 73,2% de total de açúcar importado pelos chineses. Das 3,38 milhões de toneladas embarcadas, 2,47 milhões de toneladas são dos produtores brasileiros.

"Foi interessante o ministro [da Fazenda] Guido Mantega ter sinalizado um reajuste da gasolina ainda este ano. Em paralelo, a frota de carros flex está crescendo e já atingiu 22,3 milhões de veículos", destaca Plínio.

Dados da consultoria mostram que a defasagem no preço do biocombustível, na última semana de agosto, chegou a 14,6%. Para o presidente, o produto é competitivo, mas sofre com as medidas que beneficiam a gasolina e a interferência cambial.

Além disso, o Senado Federal aprovou, nesta semana, a Medida Provisória (MP) 647, que aumenta o percentual da mistura de etanol anidro na gasolina, de 25% para 27,5%. Agora, a delimitação sobre o aumento depende apenas da sanção da presidente Dilma Rousseff.

"A aprovação do aumento da mistura reduziria a necessidade de importação de nafta e de gasolina pela Petrobras, vendida no mercado doméstico abaixo do preço internacional. Desde 2011, a companhia importou quase nove bilhões de litros de gasolina gerando um déficit à balança comercial do País", explica a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), em nota.

Segundo a entidade, o setor sucroenergético, desgastado pela crise, se beneficiaria com o aumento da demanda interna de etanol anidro superior a um bilhão de litros.

"Essa aprovação pode impulsionar o mercado de etanol e levar os produtores a investirem no biocombustível", completa o presidente da Datagro.

Vale ressaltar que o programa de testes para o aumento da mistura é coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), com acompanhamento permanente dos Ministérios da Indústria, Comércio e Desenvolvimento (MDIC), da Agricultura (Mapa), entidades como o Inmetro, Petrobras, e dos setores sucroenergético e automotivo.

Mercado externo

No mês de agosto, segundo a Datagro, foram exportadas 2,3 milhões de toneladas de açúcar, quedas de 7% em relação ao mês anterior e de 30% quando comparado ao mesmo período de 2013. No acumulado do ano, cerca de 14 milhões de toneladas foram embarcadas, recuo de 13% no comparativo anual.

Já o etanol embarcou cerca de 948,9 milhões de litros no acumulado do ano, contra mais de um bilhão de litros exportados no mesmo período de 2013.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink