Reino Unido em situação de vulnerabilidade ante propagação de peste suína africana
CI
Imagem: Pixabay
PSA

Reino Unido em situação de vulnerabilidade ante propagação de peste suína africana

Os suinocultores estão em alerta após a recente confirmação de casos de PSA em uma fazenda perto da fronteira germano-holandesa
Por:

A British Meat Processors Association pediu verificações pontuais de alimentos e viajantes que entram no país, alertando que a falta de controle de fronteira sobre as importações da UE deixou os rebanhos de suínos do Reino Unido vulneráveis a um surto de peste suína africana. Os suinocultores britânicos estão em estado de alerta após a recente confirmação de casos em uma fazenda perto da fronteira germano-holandesa, centenas de km a oeste de casos relatados anteriormente entre javalis no leste do país e as dezenas de casos na natureza e em fazendas de países como Polônia, Romênia e Eslováquia.

Já lutando desde o final do ano passado com custos crescentes de insumos, escassez de mão de obra e flutuações de preços, os suinocultores “seriam duramente atingidos” se a PSA chegasse ao Reino Unido, alertou a BMPA.

O órgão de comércio disse que o governo deveria realizar verificações pontuais depois que mais casos do vírus foram relatados no oeste da Alemanha.

O CEO, Nick Allen, disse que o governo deve “tornar os viajantes mais conscientes dos riscos de trazer alimentos proibidos para o Reino Unido”, bem como “encorajá-los a descartar esses produtos de forma responsável antes da entrada”. Verificações pontuais em viajantes que entram no Reino Unido devem ser aplicadas, acrescentou Allen.

A Associação Nacional de Suínos também alertou os agricultores para serem “vigilantes” após o aparecimento do vírus perto da fronteira germano-holandesa, que o Defra disse servir como “um lembrete importante da capacidade da PSA de se espalhar a longas distâncias a um território anteriormente região não afetada, muitas vezes através de rotas mediadas por humanos”.

Zoe Davies, CEO da NPA, disse que os viajantes que transportam alimentos para o Reino Unido podem ser os canais mais prováveis ??para o vírus, enquanto a Defra disse na semana passada que o risco de pessoas trazerem alimentos para o país era “alto”. 

Aviso de 'milhões em comércio perdido'

Se a doença for confirmada no Reino Unido, provavelmente provocaria “uma proibição imediata das exportações de carne suína do Reino Unido para alguns de nossos maiores parceiros comerciais internacionais, incluindo a China”, alertou a BMPA, levando a “uma queda significativa nas exportações de carne e custos de milhões em comércio perdido”.

Vários surtos recentes de peste suína custaram em grande parte à Alemanha seu já lucrativo mercado de carne suína na China, que desde então substituiu amplamente a carne suína importada por suprimentos de origem doméstica – uma virada de mercado que contribuiu para um “alto recorde” em junho nos preços da carne, relatado na semana passada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

O setor de ovos do Reino Unido foi duramente atingido pela gripe aviária, que resultou no abate generalizado e na remoção temporária de ovos caipiras das prateleiras dos supermercados.

Verificações de mercadorias adiadas

As preocupações com a peste suína surgem depois que o governo adiou recentemente, pela quarta vez, a imposição programada de verificações de mercadorias da UE, que deveriam entrar após o Acordo de Comércio e Cooperação UE-Reino Unido pós-Brexit.

Alguns na indústria de alimentos saudaram o adiamento, que o governo justificou com o argumento de que a imposição de verificações aumentaria os custos da indústria e, por sua vez, a inflação dos alimentos.

No entanto, outros acusaram o governo de semear confusão e forçar gastos desnecessários aos importadores e transportadores, que estavam se preparando para o início das verificações.

Apesar do adiamento, alguns importadores de frutas e legumes pediram ao governo que reduzisse ainda mais a burocracia para os importadores. Mas outros ainda, como a indústria avícola britânica, querem que o governo imponha verificações sobre produtos provenientes da UE e argumentam que sua ausência dá aos rivais da UE uma vantagem competitiva devido aos alimentos do Reino Unido enfrentando verificações na entrada no bloco.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.