Reino Unido testará cevada geneticamente modificada
CI
Imagem: Pixabay
TESTE

Reino Unido testará cevada geneticamente modificada

Os cientistas esperam que os resultados do teste demonstrem maneiras de reduzir a necessidade de fertilizantes sintéticos
Por: -Leonardo Gottems

Em abril deste ano, será plantada uma experiência de campo com cevada geneticamente modificada (transgênica) e outra melhorada pela edição do genoma. A pesquisa está avaliando se as interações aprimoradas das culturas com fungos naturais do solo promovem uma produção de alimentos mais sustentável. Os cientistas esperam que os resultados do teste demonstrem maneiras de reduzir a necessidade de fertilizantes sintéticos, que podem ter benefícios significativos na melhoria da saúde do solo, além de contribuir para abordagens mais sustentáveis e equitativas para a produção de alimentos.

O teste está sendo realizado por pesquisadores do Crop Science Centre, uma parceria entre a Universidade de Cambridge e a organização de pesquisa agrícola NIAB. Será avaliado se melhorar as interações das culturas com fungos naturais do solo pode ajudá-los a absorver água junto com nitrogênio e fósforo do solo de forma mais eficiente. Nitrogênio e fósforo são dois nutrientes essenciais críticos para a produção de culturas que muitas vezes são fornecidos por meio de fertilizantes sintéticos.  

Embora o uso de fertilizantes sintéticos aumente a produtividade das lavouras, aplicações excessivas em países de alta e média renda têm causado poluição ambiental que reduz a biodiversidade, além de produzir emissões de gases de efeito estufa. Enquanto isso, em países de baixa renda, os fertilizantes costumam ser muito caros ou indisponíveis para os agricultores locais, limitando a produção de alimentos. Isso contribui tanto para a fome quanto para a pobreza, porque em regiões como a África Subsaariana, a maioria das pessoas depende da agricultura para sustentar suas famílias.

“Trabalhar com associações microbianas naturais e benéficas em plantas tem o potencial de substituir ou reduzir bastante a necessidade de fertilizantes inorgânicos, com benefícios significativos para melhorar a saúde do solo e, ao mesmo tempo, contribuir para abordagens mais sustentáveis e equitativas para a produção de alimentos”, disse o professor. Giles Oldroyd, professor do Russell R Geiger de Crop Sciences, que está liderando o trabalho.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.