POLUIÇÃO

Restrições ambientais na China aumentam demanda por algodão

Produtores brasileiros estão atentos à demanda chinesa
Por: -Leonardo Gottems
272 acessos

As restrições ambientais impostas na China nos últimos anos pode beneficiar os produtores algodoeiros do Brasil na safra que começa. As limitações de fabricação na China têm levado a fechamento de plantas, incluindo centenas de fábricas de fibras sintéticas. Essas ações estimularam o aumento de preços internacionais e da produção da pluma.

Para alguns analistas, é o contrário do que havia acontecido no fim da década passada ou no início de 2016, quando houve queda no preço do petróleo e maior produção de fibras sintéticas na China, com maior poder do gigante asiático sobre os preços.

Para Henrique Snitcovski, presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão, o mercado observa que a proporção de fibra natural cresce nas misturas com fibra sintética. Com base nessa demanda que os produtores brasileiros têm intenção de aumentar a área. A superfície de aumentar em 20,3%, segundo a Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa).

De acordo com a Abrapa, se as margens permanecerem mais rentáveis que a do milho, a tendência é que a segunda safra atual da atual temporada seja de mais algodão em Mato Grosso e também na região do Matopiba.

Estimativas do Rabobank dizem que pode haver uma área plantada de um milhão de hectares na safra atual no Brasil, o que não ocorre desde 2013. O banco também prevê que a demanda mundial por fibra será 2% maior que no ciclo atual, maior que 26 milhões de toneladas.

Analistas convergem que os estoques de algodão da China estão sendo vendidos e as importações terão ritmo forte dentro de um ano.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink