RS quer traçar ações contra carrapato
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,144 (0,48%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (-0,45%)

Imagem: Marcel Oliveira

PARASITA

RS quer traçar ações contra carrapato

Tristeza Parasitária Bovina é responsável pela perda de 100 mil animais por ano
Por:
144 acessos

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) está com consulta aberta aos produtores rurais do Estado a respeito do carrapato bovino. Os resultados da pesquisa devem direcionar as ações oficiais de combate a este parasito, responsável pela transmissão da Tristeza Parasitária Bovina (TPB). O questionário online está disponível neste link.

"Desde 2015, todas as ações da secretaria têm sido direcionadas para o que a cadeia produtiva achava importante e necessário neste sentido. Os treinamentos, dias de campo e o diagnóstico gratuito de resistência dos carrapatos aos carrapaticidas são todas ações construídas junto ao setor. Agora, queremos colher uma percepção mais aberta, sobre o futuro dessas ações do serviço oficial de defesa sanitária, para o combate ao carrapato", detalha o pesquisador José Reck, do Laboratório de Parasitologia do Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF), responsável pela consulta.

O formulário pode ser respondido por produtores rurais, médicos veterinários e demais profissionais associados à cadeia produtiva de bovinos. "Este ano recebemos um apontamento do setor de que o controle dos carrapatos é um problema para o qual eles desejam o apoio da Secretaria. Essa pesquisa servirá para reavaliarmos e redirecionarmos nossas ações, ver onde podemos melhorar", finaliza Reck.

Tristeza Parasitária Bovina

Transmitida pelo carrapato, a Tristeza Parasitária Bovina é responsável pela perda de 100 mil animais por ano no Rio Grande do Sul, segundo estimativas da Seapdr. A TPB também causa prejuízos devido à anemia e redução no ganho de peso do rebanho, bem como redução na produção de leite. Segundo dados compilados nos últimos dez anos pelo Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA/Seapdr), o final do outono e final da primavera concentram a maior parte dos casos de TPB no Estado.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink