Sai pesquisa sobre "Estudo de competitividade da piscicultura na região do Alto Vale do Itajaí
CI
Agronegócio

Sai pesquisa sobre "Estudo de competitividade da piscicultura na região do Alto Vale do Itajaí

Por:

Com o intuito de conhecer melhor o Modelo Alto Vale do Itajaí de Piscicultura Integrada,o Instituto de Planejamento e Economia Agrícola de Santa Catarina (Instituto Cepa/SC), financiado pelo MDA/Pronaf, em parceria com a Epagri e Acaq, realizou uma vasta pesquisa sobre o " Estudo de Competitividade dos Piscicultores da Região do Alto Vale do Itajaí no estado de Santa Catarina".

O trabalho, que se pauta num levantamento realizado nas unidades rurais que se dedicam à piscicultura, à criação de alevinos e ao pesque-pague, como empreendimentos comerciais, traz a público as principais questões que traduzem a competitividade da atividade, com a comprovação de sua possível adoção nas propriedades de uma região cuja economia gira em torno da exploração de culturas conhecidas e adotadas há mais tempo pelos produtores rurais,

como a cebola e o arroz.

De acordo com o Coordenador e Economista do Instituto Cepa/SC, José Souza Filho, a pesquisa determinou a existência , no ano de 2001, de um total de 411 empreendimentos com atividade comercial. Destes, 356 praticam a piscicultura de engorda de peixes; 66 são empreendimentos de pesque-pague(16.1%) e quatro se dedicam à produção de alevinos. Ocupam uma área total de 561 hectares; em número e área concentram-se, principalmente, nos municípios de Agrolândia e Trombudo Central, com 19% destinada à produção na região. Os empreendimentos de pesque-pague se concentram em maior número nos municípios de Ibirama (8), Dona Emma (6), Rio do Oeste(5) e Taió(5). Apenas no município de Chapadão do Lageado não há nenhum empreendimento comercial.

Levando-se em conta que os municípios têm diferentes áreas e número de habitantes, podem-se apontar outros dois indicadores: densidade por área e densidade por número de habitantes. " O índice de densidade por área mostra a relação entre a área utilizada para piscicultura sobre o total da área do município- concentração espacial da atividade. Por este critério, o município de Trombudo Central apresentou o maior índice", explicou José Souza Filho.

Já o índice de densidade por habitante mostra a relação entre o número de empreendimentos e a população total do município. Constata-se que nem sempre a localização do empreendimento coincide com a residência do empreendedor ou da mão-de-obra; "por isso dá idéia do grau de empreendedorismo e da ocupação de mão-de-obra em relação à atividade da piscicultura. Neste critério, o município de Dona Emma apresentou o maior índice", acrescentou Filho.

O levantamento mostra ainda que os entrevistados, em sua maioria (79%) ,

eram proprietários ou membros da família que administram o empreendimento (18%). Apenas 3% dos entrevistados eram empregados contratatos.Expressivo percentual de proprietários que responderam às questões formuladas manifesta grande confiança na pesquisa, uma vez que estão vivendo diariamente os problemas de seu negócio e estão inteirados de todos os aspectos produtivos e de mercado.

A pesquisa determinou que 95,1% dos responsáveis pelo empreendimento são

o próprio empreendedor ou alguém da família.Na região, portanto, trata-se de um negócio eminentemente familiar.Predominam os responsáveis com idade entre 40 e 50 (34%) e nas faixas próximas (de 30 a 40 anos e de 50 a 60 anos).Os administradores, têm, majoritariamente, a formação no ensino básico incompleto (60%), mas apresentam um significativo percentual de formados no nível médio e superior. " Essa formação, bastante elevada em relação à média da população e de empreendedores de outros segmentos agropecuários, leva a interpretar este tipo de empreendimento como atividade secundária em relação a outras ocupações do empreendedor", apontou o coordenador da pesquisa, José Souza Filho.

Os responsáveis dedicam, em média, 1:30 hora por dia ao empreendimento. Somente 6,8% dedicam mais de 4 horas por dia. A dedicação aumenta consideravelmente nos empreendimentos de pesque-pague, com presença média de 4:14 horas/dia no negócio.Tendo em vista os seus negócios, 505% dos empreendedores, perguntados sobre a sua intenção de expansão do mercado, responderam que pretendem aumentar seus negócios.Entre os que pretendem diversificar os seus negócios relativamente a clientes, predomina a opção pelos supermercados (50%).

Ainda de acordo com a pesquisa, entre os produtos predomina a atividade de engorda de peixes (356, ou 86,6%), seguido por 66 emprendimentos de pesque-pague (16,1%) e quatro produtores de alevinos. Existem 17 empreendimentos que têm mais de uma atividade.O trabalho mostrou que 97,3% dos empreendimentos constituem pessoas físicas. Somente 2,4% deles têm forma de pessoas jurídicas, o que significa que , na região, existem apenas 10 empresas na forma de condomínio, associação ou firma.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.