Seagro estimula boas práticas para redução de queimadas no campo
CI
Agronegócio

Seagro estimula boas práticas para redução de queimadas no campo

Seagro alerta os produtores sobre os prejuízos das queimadas para a qualidade da produção
Por:

Com o fim do período das chuvas, a Secretaria da Agricultura e Pecuária (Seagro) volta a alertar os produtores sobre os prejuízos das queimadas para a qualidade da produção, como empobrecimento do solo e prejuízo na infiltração da água. Para estimular esta conscientização, a pasta desenvolve junto aos agricultores do Estado vários projetos para a implantação de produção sustentável e uso racional do solo, que podem refletir diretamente na diminuição de queimadas nas propriedades rurais.

 
Dentre as ações desenvolvidas, existe o Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura – Plano ABC, que tem projetos como o Plantio Direto. “A técnica estimula o uso do adubo natural utilizando a palha decomposta de plantios anteriores, diminuindo o uso de insumos químicos e por consequência, impedindo o uso da queimada para a limpeza da área para o próximo plantio”, comenta o secretário executivo da Agricultura e Pecuária, Ruiter Padua.
 
Outro projeto é o de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta que promove a recuperação de áreas de pastagens que já estão degradadas e agrega diferentes sistemas produtivos como plantio de grãos, produção de leite, carne, agroenergia entre outros. “Quando o agricultor intensifica o uso do solo, os volumes financeiros também passam a ser maiores”, explica o assessor da Seagro Corombert Leão, acrescentando que a renda nas propriedades rurais é complementada com a diversificação de culturas. “Por exemplo, em propriedades onde cultivam florestas como a seringueira e o eucalipto, e ainda trabalham com fruticultura e criação de abelhas, o agricultor terá mais renda e será um preventor do fogo”.

 
Prejuízos
Segundo Leão, a cultura de aplicar o fogo ainda é utilizada como forma de limpeza de pastos e áreas não agricultáveis. “Quanto maior a falta de informação, maior é o uso do fogo como ferramenta de limpeza nas propriedades”, enfatizou.
 
Dentre os pontos negativos da utilização do fogo, está a perda de fertilidade orgânica. “A matéria verde e toda a micro fauna e flora que é queimada viraria adubo. Então toda a composição rasa do solo fica comprometida com essa perda de elementos naturais. Além disso, a falta de cobertura vegetal prejudica a infiltração da água durante as chuvas e deixa de existir naquele espaço as reservas de água, que se formariam com a perenização”, explica Leão.
 
Além do empobrecimento do solo, a queimada pode se alastrar sem controle e prejudicar centenas de produtores vizinhos. Dona Rosanja Gonçalves produz mandioca, arroz, milho dentre outras culturas para o uso da família no Assentamento Bom Jesus, localizado a 100 km do município de Santa Rosa. A agricultora disse que sofreu com as chamas no ano passado. “Perdemos boa parte da produção de milho com o fogo que se alastrou pela plantação. Não sei de onde veio, mas soube que não foi ninguém do Assentamento, porque nós não fazemos queimada”, declarou.

 
Revisão: Andressa Figueiredo

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink