Seagro/TO visita módulo de caprinocultura na região Sudeste

Agronegócio

Seagro/TO visita módulo de caprinocultura na região Sudeste

Atualmente o projeto atende a 13 produtores familiares em Ponte Alta do Bom Jesus
Por:
1232 acessos
Técnicos da Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário e do Instituto Rural do Tocantins visitam, de terça-feira a sexta-feira, as propriedades participantes do Projeto Módulo Irradiador Econômico-Social da Caprinocultura, em Ponte Alta do Bom Jesus, região Sudeste do Estado. Além das propriedades, a equipe visitará ainda produtores de outros municípios da região para atender as demandas de inserção no projeto.


De acordo com o coordenador de Desenvolvimento Animal da Seagro, Cláudio Sayão Lobato, atualmente o projeto atende a 13 produtores familiares em Ponte Alta do Bom Jesus. “Outros municípios, como Arraias, Taguatinga, Novo Acordo, Miracema e Palmas também participam dos módulos, perfazendo um total de 20 famílias. Nesta visita também vamos verificar a possibilidade de repasse de matrizes e reprodutores para outros produtores”, completou.


Lobato disse que o projeto começou em 2004, como uma alternativa de geração de renda aos agricultores familiares com a atividade caprinocultura em regiões que não tem aptidão para a bovinocultura e com baixo índice de desenvolvimento humano. “Este projeto é financiado pelo Pronaf, tendo como finalidade o incremento de atividade, através da implantação de um módulo irradiador de produção, com o repasse de crias para os produtores interessados de toda a região, aumentando o quantitativo e a qualidade do rebanho no Estado”, explicou o coordenador.


Ainda sobre o projeto, Lobato disse que a receita, proveniente da exploração do módulo, será convertida para a instalação futura de abatedouro e outras estruturas necessárias ao crescimento do projeto. “O módulo permanecerá à disposição da Seagro, para vistorias, realização de dias de campo, visitas com outros interessados, cursos de capacitação de técnicos/produtores e outras metodologias, propiciando um processo contínuo e ininterrupto no desenvolvimento da atividade na região”, reforçou.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink