Secagem e armazenamento da Safra 2016/17

Agronegócio

Secagem e armazenamento da Safra 2016/17

O presidente e integrantes da Comissão de Grãos do SRU convidaram para reunião representantes do setor de Secagem e armazenamento de grãos
934 acessos

Para chegar a um denominador comum, o presidente e integrantes da Comissão de Grãos do SRU convidaram para reunião representantes do setor de Secagem e armazenamento de grãos. Estiveram presentes representantes da Emater, Sagri, Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, Companhia de Armazéns e Silos de Minas Gerais – CASEMG e Certrim, empresas ligadas diretamente à secagem e armazenamento de grãos.

No período de colheita de 2015 e 2016 vários foram os problemas envolvendo a secagem de grãos, desde grandes filas e várias horas de espera para descarregar os caminhões, o que gerou desconforto e até insegurança por parte de motoristas e produtores rurais.
 
Durante a reunião foram propostas ações para que haja uma melhor articulação para o plano de secagem e logística de grãos, prestação de serviços de emergência no período de maior movimento, e neste caso foi estipulado entre os dias 15 de fevereiro a 15 de abril.
 
“Conseguimos alinhar diversos assuntos já que o objetivo desta reunião foi traças estratégias nos picos de colheita, principalmente da soja, em momentos de chuva constante. A demora no descarregamento provoca perdas no campo, seja na qualidade ou na queda de grãos no solo. Por este motivo reunimos empresas públicas e privadas do setor de secagem e armazenagem de grãos para que haja uma sinergia entre elas na questão de custos e logística de recebimento.”, explicou o presidente do Sindicato Rural de Uberaba Romeu Borges Júnior.
 
Os participantes pontuaram a questão da unificação de taxas de cobrança, devido à diferença do que é exigido entre as empresas privadas e públicas. Exemplo disso é que há uma variação, no caso da CASEMG os grãos avaliados podem chegar com até 0,5% de impurezas e 14,1% de umidade, já a Conab aceita com 0% de impureza e 13% de umidade. A diferença parece pouca, mas é na hora de receber que o produtor sente o bolso. A unificação de tabela é fundamental para o compartilhamento de secagem e armazenamento de grãos entre empresas públicas e privadas.
 
Segundo o gerente operacional da CASEMG Leandro Oliveira, as empresas estão comprometidas em solucionar os problemas.
 
“Esta foi uma reunião muito válida no sentido de tentar diminuir o problema de filas na porta das empresas e nos comprometemos, junto ao SRU, a desenvolver mecanismos para melhorar isso. Em uma próxima reunião, entre as empresas de secagem e armazenamento de grãos, devemos colocar as particularidades de cada empresa para alinhar e assim chegarmos a um resultado satisfatório para todos os envolvidos”, esclareceu Leandro.
 
Para o secretário da SAGRI José Geraldo Borges Cellani, é com a união das empresas que as soluções surgem em benefício do setor.
 
“A agricultura, a pecuária, o agronegócio tem que atuar assim, como outros seguimentos, desta maneira que nós estamos fazendo, reunindo entidades públicas e privadas para chegar a um denominador comum de maneira mais fácil e que atenda ao produtor rural que é nosso principal foco”, concluiu José Geraldo.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink