Segmento do agronegócio mostra otimismo

Agronegócio

Segmento do agronegócio mostra otimismo

De acordo com Famato, a safra 2010/2011 das principais culturas deve ser recorde
Por: -Laís Costa Marques
2136 acessos

Após um ano de mudanças no setor produtivo primário, expectativas animam produtores com a valorização das commodities. De acordo com projeções da Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) a safra 2010/2011 das principais culturas deve ser recorde e a arroba deverá apresentar em contínua ascensão ao longo de 2011. Porém, os bons preços cravados de meados de 2010 até agora não foram repassados para os produtores, visto que a valorização se deu após as primeiras vendas feitas por produtores.

Para a soja, maior volume produzido no Estado, a melhor rentabilidade do grão causa entusiasmo entre os produtores. O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Algodão de Mato Grosso (Aprosoja), Glauber Silveira, diz que por enquanto o cenário se mostra positivo para 2011, com bom desempenho da produção no campo e sinalização de bons preços. Silveira, porém, alerta para o desempenho do cenário internacional, que pode afetar o mercado interno. "O momento é muito positivo, mas no agronegócio não existem prognósticos. Há toda uma política internacional que nos influencia".

O presidente da Famato, Rui Prado, diz que fatores climáticos também interferem e que chuvas no período de colheita podem significar perdas de até 10%. Por enquanto, a estimativa é que a produção chegue a 19,05 milhões de toneladas, aumento de 3% com relação a safra anterior. Para o milho, Prado diz que os mato-grossenses são exemplo ao atingirem a produção de 8,4 milhões (t) na segunda safra, mas que é preciso investir na verticalização da produção e assim agregar valor.

O algodão é a revelação do momento. Com uma valorização de 105% de janeiro a dezembro de 2010, a fibra produzida não é capaz de suprir as necessidades do mercado nacional e internacional. "Os produtores se animaram com a nova perspectiva e vão investir na plantação. Nesta última colheita, a safrinha foi mais produtiva do que a primeira safra e alguns produtores arrendaram terras com plantio de soja para cultivo do algodão".

Rui Prado reforça, porém, que esta valorização ocorreu, em grande parte, no momento em que a commodity não estava mais com o produtor ou não tinha animal para comercializar, no caso dos pecuaristas. Aliás, com relação a pecuária, desde 2005 os pecuaristas não tinham rentabilidade na produção e somente em agosto deste ano a situação começou a ser revertida e devido à pouca oferta de boi, que deve se repetir no próximo ano.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink