Seminário debateu as tendências do mercado aquícola no Brasil

Agronegócio

Seminário debateu as tendências do mercado aquícola no Brasil

O evento foi realizado nos dias 9 e 10 deste mês, em Brasília.
Por:
393 acessos

Pensar em uma aquicultura mais eficiente dos pontos de vista ambiental, econômico e social, e numa produção que atenda aos novos padrões de consumo mundial é o futuro da criação de peixes no Brasil. As tendências de mercado para essa atividade foram debatidas no encerramento do Seminário Nacional do Pirarucu da Amazônia com a palestra do presidente da Embrapa, Maurício Lopes. O evento, promovido pelo Sebrae, com o apoio da Embrapa, foi realizado nos dias 9 e 10 deste mês, em Brasília.

Segundo dados da FAO, a produção mundial de espécies aquícolas em 2014 era de 170 milhões de toneladas/ano, correspondendo a 35% da produção de proteína animal no mundo. Já a exportação mundial dessa proteína era de 59,4 milhões de toneladas/ano, 66% da exportação mundial. Para Maurício Lopes, esses números mostram a grande demanda pela proteína do pescado no mundo e sinalizam uma janela de oportunidades para o Brasil. "A população mundial vai exigir carnes cada vez mais nobres e temos que nos preparar para atender esse exigente mercado com uma aquicultura de baixo impacto e produtos com maior valor agregado", ressalta o presidente.

Pirarucu, o "bacalhau" da Amazônia

O pirarucu (Arapaima gigas) é a grande aposta do mercado aquícola brasileiro, segundo Francisco Medeiros, secretário-executivo da PeixeBR, a Associação Brasileira da Piscicultura, que reúne produtores de peixe, fábricas de ração, frigoríficos, indústrias de medicamentos e equipamentos do setor. Nativo da Amazônia, esse peixe tem um crescimento rápido, cresce de 10 a 15 quilos por ano; tem excelente rendimento de carne, cerca de 60%; e um sabor peculiar. "Esse animal é bonito, grande e extremamente saboroso, mas ainda precisamos despertar o consumo desse peixe no Brasil e no mundo. É um desafio de todo o segmento, pois se trata de um produto novo para um nicho de mercado", afirma Medeiros.

Mas o desafio da criação de pirarucu em cativeiro não é somente do mercado, a pesquisa vem trabalhando na produção em escala desse peixe há alguns anos e apresentou resultados importantes no Seminário Nacional do Pirarucu da Amazônia por meio do Projeto Estruturante Pirarucu da Amazônia.

Resultados de projeto com pirarucu serão mostrados em seminário

O projeto busca avançar no domínio tecnológico sobre a produção dessa espécie em escala comercial, principalmente do alevino (filhote do peixe), que hoje é o maior gargalo para a expansão da atividade. O trabalho é desenvolvido em parceria pela Embrapa, Sebrae, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, universidades e pelo setor produtivo, com ações nos sete estados da região Norte do país.

De acordo com Carlos Magno, chefe-geral da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas, TO), o projeto, que está sendo desenvolvido há três anos, já levantou e catalogou práticas de produtores de pirarucu e realizou capacitações para mais de 150 produtores e técnicos da iniciativa pública e privada da região Norte. As ações estão focadas em toda a cadeia produtiva desse pecado, desde reprodução, sanidade, manejo, nutrição, genética, mercado, entre outras áreas. "Esse projeto estruturante está vendo a cadeia produtiva como um todo e não trabalhando de forma isolada", completa o pesquisador.

Ele diz ainda que atualmente o maior obstáculo dessa cadeia produtiva é reprodução, "ainda não conseguimos induzir uma fêmea a ovular, por exemplo. E a identificação das fêmeas com maior precisão ainda é um processo caro", completa Carlos Magno. Diante desses pequenos gargalos, a produção de alevinos ainda é baixa frente à necessidade de um mercado maior. 

Alinhar produção e mercado para o pirarucu não é tarefa fácil. Maurício Lopes, presidente da Embrapa, ressalta ainda aspectos como a intensificação dessa produção de forma segura, ou seja, com mais eficiência no uso dos recursos naturais, e a agregação de valor, diversificação e especialização de produtos. "Com cooperação, inovação e conhecimento, buscaremos um novo paradigma de produção, que atenda a um novo padrão de consumo", finaliza o presidente.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink