SENAR Brasil e parceiros avaliam projeto ABC Cerrado em Missão do Banco Mundial

Agronegócio

SENAR Brasil e parceiros avaliam projeto ABC Cerrado em Missão do Banco Mundial

O SENAR recebe durante toda esta semana uma nova missão do Banco Mundial para tratar dos avanços do Projeto ABC Cerrado, realinhar procedimentos e definir as próximas etapas.
Por:
1830 acessos

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) recebe durante toda esta semana uma nova missão do Banco Mundial para tratar dos avanços do Projeto ABC Cerrado, realinhar procedimentos e definir as próximas etapas. O Projeto é realizado pelo SENAR em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e com recursos do Banco Mundial.

Nesta segunda-feira (16), primeiro dia da missão, a equipe técnica do SENAR apresentou o progresso do projeto desde a última missão do banco, em outubro de 2015. “Nós avançamos muito na implementação geral do ABC Cerrado com a implantação do portal de gestão de projetos do SENAR, com a mobilização nos estados participantes, na capacitação de técnicos de campo e supervisores e ainda na criação do sistema de sorteio dos produtores inscritos, que já conta com 35 turmas sorteadas, a maioria com início previsto ainda neste mês,” destaca a coordenadora de Projetos e Programas Especiais do Departamento de Educação Profissional e Promoção Social (DEPPS), Janei Cristina Santos Resende.se

Para o gerente do projeto no Banco Mundial, David Tuchshneide, as missões da instituição visam apoiar a implantação do ABC Cerrado, assim como trazer soluções para o projeto. “Ficamos felizes com os avanços alcançados pelo SENAR e estamos aqui para ajudá-los a identificar quais mudanças e adequações são necessárias para que alcancemos as metas do projeto.”

O coordenador de Manejo Sustentável e Sistemas Produtivos do MAPA, Elvison Nunes Ramos, acredita que o projeto é inovador pelas tecnologias envolvidas e que, por isso, precisa passar por um período de ajustes como o que está acontecendo na missão do Banco Mundial. “Toda nova tecnologia requer um tempo para implantação, por isso é importante estarmos debatendo o andamento do ABC Cerrado com os parceiros. De todo modo, houve uma grande evolução na dinâmica do projeto e com o reforço vindo do SENAR conseguiremos cumprir todo o calendário de atividades até o fim da execução do projeto.Temos expectativa de bons resultados”, avalia.

Segundo Ramos, o ABC Cerrado vai medir o resultado que a tecnologia adotada na propriedade trará para o produtor. “O projeto vai mensurar como a tecnologia interferiu na vida do produtor e isso para o setor é muito importante, tanto para o produtor quanto para o técnico que atua no campo porque não temos esse tipo de dados.”

A missão segue até sexta-feira (20) e na pauta de debates está ainda a Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do SENAR que vai atender o projeto, o monitoramento e a avaliação de impacto do ABC Cerrado.
Entenda o Projeto ABC Cerrado

Ação conjunta do SENAR, do Ministério da Agricultura e da Embrapa, o Projeto ABC Cerrado difunde e incentiva a adoção de práticas sustentáveis para a redução das emissões de gases de efeito estufa e sensibiliza o produtor para que ele invista na sua propriedade de forma a ter retorno econômico mantendo o meio ambiente preservado. O SENAR é responsável pela formação profissional dos produtores nas tecnologias e pela assistência técnica e gerencial de propriedades rurais, com recursos do Programa de Investimentos em Florestas (FIP, sigla em inglês) – administrados pelo Banco Mundial, que doou US$ 10,6 milhões para a execução do projeto.

O ABC Cerrado atende oito Estados do Bioma Cerrado (Goiás, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Maranhão, Bahia, Piauí, Minas Gerais e o Distrito Federal), num período de três anos, com a promoção de quatro processos tecnológicos: recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura-pecuária-floresta, sistema plantio direto e florestas plantadas. Ao todo, 12 mil produtores rurais vão receber capacitação e, desse total, 1.600 propriedades - nos Estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Mato Grosso do Sul - receberão, também, assistência técnica.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink