SENAR-PR forma primeira turma do curso de piloto-automático
CI
Imagem: Divulgação
CURSO

SENAR-PR forma primeira turma do curso de piloto-automático

SENAR-PR promoveu a primeira turma do curso “Direcionadores automáticos de máquinas – GNSS em máquinas agrícolas”
Por:

Na segunda quinzena de agosto, o SENAR-PR promoveu a primeira turma do curso “Direcionadores automáticos de máquinas – GNSS em máquinas agrícolas”, uma novidade do programa de Agricultura de Precisão (AP). O treinamento aconteceu na Fazenda Califórnia, no município de Jacarezinho, no Norte do Estado, a pedido dos proprietários, para a capacitação dos funcionários da propriedade na operação de tratores com piloto-automático. 

Para o gerente agrícola da Fazenda Califórnia, Luciano Zanardo, o curso do SENAR-PR possibilitou uma formação mais completa aos operadores agrícolas. “Eu trabalho há algum tempo com o piloto-automático, mas depois do curso, percebi que compreendia o básico. O treinamento do SENAR-PR abriu vários caminhos que não conhecíamos”, destaca. “Essa tecnologia é o futuro das operações agrícolas, pois otimiza muito o trabalho do homem do campo. O conhecimento adquirido vai nos dar suporte com mapas de colheita, de pulverização e plantio, para sabermos realmente onde e quando usar os insumos”, acrescenta. 

Segundo avaliação dos participantes, o curso trouxe mais segurança para os operadores explorarem os comandos do sistema. “São muitas funções que não conhecíamos e agora estamos implementando, principalmente a questão dos mapas. Como são muitos detalhes para cuidar na máquina, com o piloto, você fica mais atento ao monitor. Melhorou demais”, avalia o auxiliar de produção Sergionei Cardoso de Paula. 

A otimização da rotina de trabalho também é um ponto citado pelo técnico agrícola Giovane Alves Orlandini. “Nós tínhamos as ferramentas, mas hoje vemos que não tínhamos o conhecimento necessário. Agora fazemos as calibrações sem medo de errar, conseguimos adequar a máquina para cada tipo de terreno, o que antes fazíamos com um único tipo de regulagem. A produtividade vai aumentar bastante”, relata. “Foi um dos melhores cursos do SENAR-PR que eu já fiz”, elogia Orlandini. 

Precisão e menos perdas 

Segundo o técnico do Departamento Técnico (Detec) do Sistema FAEP/ SENAR-PR Heli Assunção, os participantes do curso aprenderam sobre o funcionamento do Global Navigation Satelite System (GNSS) – Sistema Global de Navegação por Satélite, em português – e sua aplicação no meio rural, além de orientações sobre a importância da calibração dos sensores e da configuração correta dos monitores dos direcionadores automáticos. 

“Faz toda a diferença se uma máquina entra na lavoura e erra seu posicionamento em 10 centímetros. Isso pode ocasionar um amassamento de uma linha inteira de cultivo. O uso do piloto-automático possibilita um melhor aproveitamento do talhão produtivo, com menor compactação do solo e amassamento de cultura, economia de insumos e, consequentemente, mais lucro no final da safra”, justifica. 

O instrutor Gustavo Ponce Martins, responsável pelo curso na Fazenda Califórnia, explica que o uso de um sistema de direcionamento automático nas operações agrícolas contribui para o aumento da produtividade e redução dos custos de produção. “Com o piloto- -automático, o operador tira a mão do volante e fica totalmente focado em suas operações, além de ser mais preciso. É uma ferramenta para alcançar melhores resultados e proporcionar melhores condições de trabalho para o operador”, aponta. 

A partir de dados específicos de áreas geograficamente referenciadas, o processo de automação agrícola permite estabelecer condições mais precisas e ideais às espécies cultivadas. Com isso, é possível definir um plano de navegação com base no mapeamento da lavoura e nos resultados esperados pelo produtor. 

“Os mapas permitem um controle maior do local e uma visão crítica de cada pedaço do terreno. É a primeira ferramenta para conseguir equalizar a lavoura, o que significa aumentar a produtividade de áreas menos produtivas”, destaca o instrutor do SENAR-PR. 

Curso 

Os direcionadores automáticos são basicamente compostos por dois elementos: uma antena que capta o posicionamento do trator por meio do GNSS e um monitor equipado com um software, afixado na cabine do trator. A tela permite ao operador acompanhar a navegação e ter acesso a uma série de dados em tempo real. A precisão das operações realizadas por meio do GNSS é uma das vantagens do uso do direcionador automático. 

O curso do SENAR-PR tem duração de 24 horas, divididas em aulas teóricas e práticas. Para otimizar a capacitação, a entidade adquiriu dois direcionadores automáticos da marca Trimble – um dos maiores fabricantes mundiais de aparelhos de AP. Os equipamentos estão instalados em tratores que pertencem aos Centros de Treinamento Agropecuário (CTA) de Assis Chateaubriand e Ibiporã, ambos do SENAR-PR. Assim, o curso de piloto-automático passou a fazer parte do catálogo da entidade de forma regular. Os aparelhos adquiridos também estão disponíveis para uso em outros títulos ofertados nos CTAs, como “Agricultura de Precisão – introdução” e “GPS”. 

O sistema de direcionamento automático pode ser instalado em máquinas agrícolas além do trator, como colhedoras, distribuidores de fertilizantes e pulverizadores autopropelidos, e utilizado em operações diversas, como plantio, pulverização e colheita. 

Serviço 

O curso de piloto-automático e outros mais de 250 títulos do catálogo do SENAR-PR estão à disposição no site www.sistemafaep.org.br. Todas as capacitações são gratuitas e o participante recebe certificado ao término do curso.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.