Setor agropecuário discute cadeia da uva em Goiás

Agronegócio

Setor agropecuário discute cadeia da uva em Goiás

"Há muitos esforços individuais no cultivo da uva que, uma vez concentrados, poderiam compor uma força produtiva a mais"
Por:
812 acessos
Uma nova reunião do grupo de trabalho que estuda o potencial da vitivinivultura em Goiás acontece nesta terça-feira, na sede da Seagro, às 16h30. Na ocasião, vão ser discutidas as estratégias para a concretização da atividade em Goiás. Durante o encontro, uma equipe do Sebrae vai se posicionar quanto à possibilidade de elaboração de um plano estratégico de implementação da cadeia no Estado, além de analisar o que pode ser feito com os arranjos produtivos já existentes. Uma das expectativas para o encontro é a apresentação do relatório da equipe da Secretaria de Ciência e Tecnologia - Sectec, que analisa a situação atual do Centro Tecnológico de Vitivinicultura de Santa Helena.


Segundo o superintendente de Políticas Agrícolas da Seagro, Joaquim Saêta Filho, há em Goiás muitos esforços individuais no cultivo da uva que, uma vez concentrados, poderiam compor uma força produtiva a mais no Estado. O assessor técnico da Seagro, Rogério Avellar, que acompanha os trabalhos, explica que a vitivinicultura é uma atividade que demanda alto investimento por área, mão de obra especializada, além de forte sinergia com a pesquisa e a extensão rural.


Avellar esclarece que no estágio em que se encontra a vitivinicultura goiana, em que pese o potencial produtivo e mercadológico, é necessário concentrar esforços no sentido de realizar estudos mais aprofundados sobre a adequação do perfil dos agentes envolvidos, a disponibilidade de recursos humanos e financeiros e em relação a infra-estrutura logística para o sucesso da atividade. “A utilização dos arranjos produtivos já em funcionamento, dos convênios estruturados, das instalações construídas (Centro Tecnológico de Vitivinicultura), devem ter prioridade, pois desta forma teremos maior foco e racionalidade no aproveitamento dos recursos, além de uma resposta mais rápida e consistente das ações empreendidas pelos nossos parceiros”, explica.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink