Setores do agronegócio do RS mantêm críticas ao governo

Agronegócio

Setores do agronegócio do RS mantêm críticas ao governo

Representantes do agronegócio alertaram para os prejuízos decorrentes da redução de incentivos fiscais e da elevação de impostos
Por:
380 acessos

Em audiência pública nesta quinta-feira (25-10), na Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, representantes do agronegócio, notadamente dos setores de frangos, suínos e leite alertaram para os prejuízos decorrentes da redução de incentivos fiscais e da elevação de impostos, previstas no pacote do governo estadual.

O secretário-executivo da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), José Eduardo dos Santos, alerta que com o impacto dos impostos e a redução de incentivos ficará difícil competir com produtos oriundos de outros estados e que já representam em torno de 25% da carne consumida no Rio Grande do Sul. Segundo ele, com a aprovação das medidas, haverá um acréscimo de 10% a 12% nos preços finais aos consumidores.

“Não se conhece na história recente outra iniciativa do poder público que tenha o alcance destas propostas, atingindo setores com número expressivo de gaúchos cuja renda depende dessas produções”, afirmou o diretor executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos (Sips), Rogério Kerber. Ele acrescentou que na área de carnes, ano após ano, o Rio Grande do Sul vem perdendo posições na produção e, no caso de industrializados suínos, vem caindo, de 810 mil toneladas em 2005 para 763 mil toneladas em 2006.

Durante a audiência, foi apresentado estudo elaborado pelo professor de Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Valmor Marchetti mostrando que de forma direta ou indireta, mais de 11% da população gaúcha, ou 1,22 milhão de pessoas, dependem da avicultura e da suinocultura, enquanto na área de laticínios, são mais de 239 mil pessoas envolvidas.

Com o aumento de 17% para 18% da alíquota das saídas internas de bens tributados e o corte de 30% dos créditos presumidos haverá perda de competitividade. “Os créditos presumidos foram ferramentas criadas pelos estados para fazer frente à guerra fiscal, o que precisamos é de isonomia tributária para manter o tênue equilíbrio financeiro que ainda existe”, comentou Kerber.

Diante da possibilidade de revisão dos cortes com a contrapartida do aumento de compra de insumos produzidos no estado, os representantes do agronegócio reagiram informando, por exemplo, que 95% das embalagens especiais para alimentos são fabricadas fora do Rio Grande do Sul. O secretário executivo do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Derivados (Sindilat), Darlan Palharini, disse que 60% do leite produzido é UHT (homogeneizado a ultra alta temperatura), dependendo de embalagens especiais para o leite longa vida e que não são feitas em território gaúcho. As informações são da assessoria de imprensa da Asgav.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink