Sistema Clearfield® permite o manejo sustentável da produção do arroz

Arroz

Sistema Clearfield® permite o manejo sustentável da produção do arroz

Entenda como a tecnologia da BASF transformou a forma de produzir arroz no Brasil
Por:
319 acessos

No final dos anos 1990, muitas áreas se tornaram inviáveis para o cultivo porque os produtores não conseguiam controlar o arroz vermelho, uma das plantas daninhas que mais causa prejuízos quantitativos e qualitativos às lavouras. Para assegurar a sustentabilidade e a competitividade do arroz brasileiro, a BASF desenvolveu o Sistema Clearfield® em 2003. A tecnologia mudou a forma de cultivar o grão no país.

A solução combina sementes geneticamente selecionadas com herbicidas inovadores para resultar no manejo eficiente de plantas daninhas de difícil controle. Além de proporcionar redução do custo de produção, o Sistema Clearfield® também oferece maior rentabilidade por área colhida com lavouras de melhor qualidade e mais produtivas.

“Atualmente, mais de 80% das áreas de arroz no Brasil utilizam o sistema. Os agricultores do Rio Grande do Sul, estado com maior produção, tiveram incremento de 36% na produtividade ao longo dos anos. A produtividade passou de 5.179 kg/ha na média dos dez anos que antecederam o lançamento da tecnologia para 7.079 kg/ha na média dos dez anos após a introdução do Clearfield®”, ressalta Vitor Bernardes, gerente de Marketing de Cultivos Arroz e Trigo da BASF.

Além de viabilizar o cultivo e aumentar a produtividade, o Sistema Clearfield®, aliado às boas práticas agrícolas, proporciona redução de 30% no consumo de diesel. A diminuição no uso de água bombeada é de 30% e a utilização de energia cai 25%. 

“O investimento global da BASF em pesquisa e desenvolvimento para agricultura é de € 976 milhões anuais, sendo o segmento da empresa que mais investe em P&D. Isso reforça a importância de continuarmos a entregar inovações que beneficiem cada vez mais a produção agrícola sustentável e valorizem o legado do agricultor como é a tecnologia Clearfield®”, completa Bernardes.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink