Soja em alta após compras chinesas

ANÁLISE AGROLINK

Soja em alta após compras chinesas

A China importou 907.754 toneladas de soja dos EUA em fevereiro, ante 135.814 toneladas em janeiro
Por: -Leonardo Gottems
628 acessos

O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago registrou na segunda-feira (25.03) alta de 2,75 pontos no contrato de Maio/19, fechando em US$ 9,065 por bushel. Os demais vencimentos em destaque da commodity na CBOT também fecharam a sessão com valorizações entre 2,25 e 2,75 pontos.

Os principais contratos futuros abriram a semana registrando ganhos no mercado norte-americano da soja, com os primeiros sinais de reaproximação com a China aparecendo no mercado. “A China importou 907.754 toneladas de soja dos EUA em fevereiro, ante 135.814 toneladas em janeiro, conforme informou a Administração Geral das Alfândegas. Um número bem abaixo do mesmo período do ano passado, quando as duas potências davam os primeiros sinais de atrito, mas um dos primeiros passos para o encaminhamento das negociações”, ressalta o analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Fernando Pacheco.

De acordo com a AgResource, a Bolsa de Chicago iniciou a semana sob um tom apático, sem interesse especulador no Mercado: “O grande assunto dos bastidores tem sido as acusações sobre a interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos EUA, em 2016. O vínculo já foi provado em corte norte-americana, entretanto nenhuma ligação direta com Trump foi confirmada. A grande questão tem sido a capacidade desta retórica na interferência na Guerra Comercial. Nossos contatos de Washington dizem não acreditar que a reconciliação dos EUA e China será colocada sob ameaça”. 

A ARC lembra que Trump já foca na campanha de reeleição em 2020, sendo necessário cultivar o eleitorado do meio agrícola. “O fim do conflito político com os asiáticos colocaria um ótimo cenário de preços para commodities agrícolas norte-americanas. Enquanto as incertezas macroeconômicas se expandem, fundos de gestão ativa continuam empilhando vendas nas commodities agrícolas”, concluem os analistas da AgResource Mercosul.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink