Agronegócio

Suínos/CEPEA: Demanda externa e baixa oferta para abate valorizam vivo

Os preços do suíno vivo atingiram recordes nominais nesta semana
Por:
1184 acessos

Os preços do suíno vivo atingiram recordes nominais nesta semana nos mercados independentes de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, considerando-se a série histórica do Cepea, iniciada em 2004. As valorizações do suíno vivo são explicadas pela baixa oferta de animais prontos para abate e pela demanda, especialmente a externa, aquecida. Segundo pesquisadores do Cepea, ao longo do primeiro semestre, os baixos valores pagos pelo animal fizeram com que produtores ofertassem um volume maior de cabeças para manutenção da atividade. Atualmente, os animais ainda estão com peso abaixo do ideal para abate, restringindo a quantidade ofertada. Além disso, alguns produtores relatam que houve uma redução no plantel de matrizes no ano passado, e os efeitos estariam sendo sentidos no setor neste semestre. Do lado da demanda, a melhora das exportações de carne suína tem estimulado frigoríficos sulistas a elevar as compras no mercado independente. Particularmente em Santa Catarina, colaboradores do Cepea comentam que as negociações com o Japão seguem favoráveis. Já o consumo interno permanece relativamente estável, limitado pelos preços elevados de venda da carne no atacado nacional.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink