Supersafra manda batata para o lixo no Paraná
CI
Agronegócio

Supersafra manda batata para o lixo no Paraná

A produção paranaense cresceu 45% este ano e derrubou os preços
Por:

Com a supersafra de batatas produzida no Paraná, os produtores de Guarapuava e de Contenda - município próximo de Araucária - estão jogando produto fora devido aos baixos preços. Em Guarapuava são despejadas 10 toneladas de batata por dia no lixão da cidade. Os agricultores desta região estão vendendo o produto na beira da estrada por R$ 0,08 a R$ 0,10. Sacos de 50 quilos saem por R$ 4 a R$ 7.

A situação de Contenda não é diferente. O presidente do Sindicato Rural de Contenda, Pedro Boçoen, disse que muitos produtores estão esperando a reação do mercado para fazer a colheita. Segundo ele, o preço pago ao produtor está na faixa de R$ 4 a R$ 5 a saca de 50 quilos sendo que o preço mínimo seria de R$ 15. Boçoen lembra que o preço começou a cair no final do ano passado. Contenda tem 1.800 produtores de batata que produzem cerca de 60 mil toneladas por safra.

Alguns produtores do local estão buscando alternativas para sair da crise com a diversificação de culturas. "O pessoal já está começando a preparar a terra para outras culturas", contou o sindicalista.

"Estamos num desespero danado", disse o produtor de Guarapuava, Celso Tateiva, que tem 200 hectares plantados com a cultura. Da produção de 15 mil sacas, 5 mil já foram jogadas no lixo. Ele planta outros produtos como soja e milho. O problema é que estas culturas ainda estão verdes. O milho tem previsão de colheita em março e a soja só em abril. Guarapuava tem cerca de 3 mil hectares de plantação de batata.

Um levantamento realizado pelo Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab), aponta que a batata teve um aumento de 10% na área plantada, totalizando 17 mil hectares no Estado. A produção teve um crescimento de 45% e deve atingir 420 mil toneladas.

O chefe do Deral, Paulo Meira, explica que, na safra passada, houve estiagem e, por conseqüência, redução da produção. Nesta safra, com o clima favorável que apresentou chuvas regulares, a produção aumentou. No ano passado, nesta mesma época, o preço da saca de 50 quilos estava em R$ 50. Agora, caiu para R$ 7.

O Paraná é o terceiro maior produtor e só perde para Minas Gerais e São Paulo. O consumo per capita/ano no País chega a 15 quilos. Na Europa, por questões climáticas, o consumo per capita/ano atinge 27 quilos. Meira disse que 83% da colheita da batata das águas (desta safra) já foi realizada. O plantio começou em setembro e a colheita em dezembro do ano passado. Em fevereiro, inicia o plantio da batata das secas com colheita prevista em junho e julho.

Nas Centrais de Abastecimento do Paraná (Ceasa) de Curitiba a saca de 50 quilos do produto era vendida por R$ 23 ontem. Durante a semana, o preço ficou estável. "Uma supersafra, mesmo que localizada, afeta o preço geral no Estado", disse o economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), Cid Cordeiro. Na pesquisa da cesta básica de dezembro, realizada pela instituição, o produto teve uma queda de 29,20% e custava, em média, R$ 0,80 o quilo. No ano de 2006, foi um dos itens que mais caiu (-53%) e que mais contribuiu para a queda da cesta básica.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink