Taques busca "ajuda" em Brasília para chineses implantarem centro de distribuição em Mato Grosso

Agronegócio

Taques busca "ajuda" em Brasília para chineses implantarem centro de distribuição em Mato Grosso

Viagem de Taques foi revelada pelo secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso
Por:
534 acessos

Viagem de Taques foi revelada pelo secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso

O governador Pedro Taques reúne-se em Brasília (DF) com um grupo de chineses e representantes do governo Temer logo mais às 18h. O encontro visa à busca de "apoio" para um grupo de empresários do país asiático interessados em implantar um centro de logística de distribuição em Mato Grosso.

A viagem de Taques foi revelada pelo secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques, durante troca da direção da Polícia Civil do Estado, na manhã desta quarta-feira, 08 de agosto, ao justificar a ausência do governador Pedro Taques.

O governador Pedro Taques recebeu na terça-feira, 09, uma delegação de chineses composta pela ministra conselheira da embaixada da China no Brasil, Xia Xiaoling, e diretores da empresa estatal chinesa China Railway Construction Corporation Limited (CRCC). 

A pauta do encontro em Cuiabá na terça-feira foi a Ferrovia Bioceânica, contudo segundo o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, os empresários solicitaram que Pedro Taques intervisse a realização de uma reunião, ainda para 2016, entre eles e o presidente em exercício Michel Temer.

"Ontem, nós recebemos em uma reunião uma delegação de chineses de uma empresa chamada CRCC. E, eles querem que Mato Grosso seja um centro de logística de distribuição dos chineses dessa empresa", comentou Paulo Taques.

Conforme o secretário-chefe da Casa Civil, o governador prontamente entrou em contato com Brasília (DF) e conseguiu para logo mais às 18h uma reunião com o ministro-chefe da Casa Civil, Paulo Padilha, e demais representantes do governo Temer.

“A China desde 1976 proibiu aos casais chineses ter mais de um filho. Isso todos nós sabemos disso. Essa proibição foi encerrada agora e eles estão preocupados com a quantidade de comida que eles terão que comprar para mais de 1,5 bilhão de chineses daqui alguns anos. E, por isso eles estão com os olhos voltados para Mato Grosso”, salientou.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink