Técnicos avaliam processo de identificação geográfica para queijo serrano
CI
Agronegócio

Técnicos avaliam processo de identificação geográfica para queijo serrano

Até quarta-feira (15/05), os técnicos da Superintendência Federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Rio Grande do Sul, Edna Ferronatto e Roberto Lucena, visitam queijarias nos municípios de Bom Jesus e São José dos Ause
Por:
Até quarta-feira (15/05), os técnicos da Superintendência Federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Rio Grande do Sul, Edna Ferronatto e Roberto Lucena, visitam queijarias nos municípios de Bom Jesus e São José dos Ausentes e participam de reuniões com técnicos da Emater/RS-Ascar, lideranças municipais e associações de produtores. 


A visita faz parte da nova estratégia do Mapa para identificar produtos com potencial para indicação geográfica (IG) - reconhecimento das qualidades específicas de um produto que possui identificação com um determinado território - no país e verificar a necessidade de apoio no processo junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), órgão responsável por esse registro. Durante os três dias em que permanecerão na região, os técnicos irão conhecer a história e os avanços obtidos em termos de conhecimento sobre o queijo artesanal serrano, a maturidade da cadeia produtiva, a organização dos produtores e o interesse em uma obter a IG. 

O assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, Jaime Ries, explica que o trabalho desenvolvido por diversas instituições, desde 2006, através do Projeto de Qualificação e Certificação do Queijo Artesanal Serrano, procurou ampliar o conhecimento sobre o queijo serrano, legalizar as queijarias artesanais e organizar os produtores, condições indispensáveis para a indicação geográfica. “Esse reconhecimento busca proteger o direito de produção para as famílias dessa região; distinguir o produto no mercado, gerando uma maior valorização; e assegurar aos consumidores a garantia de estar adquirindo o produto desejado”, conclui Ries.


Queijo serrano

O queijo serrano é produzido exclusivamente por pecuaristas familiares dos Campos de Cima da Serra do RS e Serra Catarinense. É fabricado a partir de leite cru, de vacas de raças de corte ou cruzadas, alimentadas basicamente nos campos nativos. A isso se somam as peculiaridades do processo artesanal de elaboração, passado de geração em geração, com pouquíssimas alterações. Como cada produtor processa apenas o leite que produz, a fabricação é em pequena escala (muitas vezes sazonal). 

Produzido há mais de 200 anos, a partir de receita de origem portuguesa, é o queijo mais antigo da Região Sul do Brasil, fazendo parte da cultura serrana. Este queijo possui uma textura amanteigada e aroma e sabor que se acentuam com a maturação, e que o diferenciam dos demais queijos artesanais brasileiros.


Importância para as famílias

A produção envolve cerca de três mil famílias nos dois estados. Apesar de, na maioria das vezes, ser fabricado e comercializado na informalidade, devido às restrições da legislação brasileira para esse tipo de produto, representa, muitas vezes, mais de 50% da renda das propriedades com até 200 hectares. A esse produtor interessa tanto vender o queijo, que garante a manutenção da família, como os terneiros, que são considerados uma poupança.  

Ações do Programa de Qualificação e Certificação do Queijo Artesanal Serrano:

- Resgate da história do produto e delimitação da região produtora;

- Descrição do processo de fabricação e caracterização do queijo artesanal serrano;

- Descrição do sistema e do ambiente de produção;

- Projetos para busca de recursos para investimentos em queijarias, visando à adequação à legislação; 

- Implantação de serviços de inspeção municipal;

- Qualificação do processo de ordenha e das práticas de fabricação;

- Discussão de nova legislação para regulamentação das microqueijarias, em estudo pela Secretaria Estadual da Agricultura (Seapa/RS);

- Encaminhamento de documentos para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), neste mês de maio, requerendo o registro do “saber fazer” do queijo artesanal serrano como bem cultural de natureza imaterial.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.