TO é a grande promessa brasileira na agricultura irrigada
CI
Agronegócio

TO é a grande promessa brasileira na agricultura irrigada

Sementes de soja produzidas no sistema de irrigação abastecem todo o cerrado
Por:
Segundo o secretário, investir na agricultura, seja ela irrigada ou não, é sempre um grande passo em busca do desenvolvimento
 
A melhor cana de açúcar do Brasil em número de toneladas por hectares e o teor de sacarose superior à produzida nas demais regiões, o abacaxi e melancia mais doces do país, um arroz competitivo com o das regiões produtoras tradicionais e a semente de soja mais fértil, produzida na entressafra. Estas são algumas das vantagens que o Tocantins apresenta graças à agricultura irrigada, modalidade que o Estado tem potencial de mais de quatro milhões de hectares para explorar. As informações são do secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário, Jaime Café, que fez questão de frisar que a irrigação é um dos motivos que o tocantinense tem para comemorar nestes 24 anos de emancipação do Estado.

O destaque que o Tocantins tem hoje quando se fala em irrigação, segundo Jaime Café, foi visto há muitos anos pelo Governador Siqueira Campos, que ainda em suas administrações anteriores criou projetos como o Manuel Alves e estruturou alguns projetos em Lagoa da Confusão, como alguns barramentos feitos no Rio Urubu, que viabilizaram uma área de plantio maior, saindo de 6 mil hectares para 15 mil. “A partir de então se investiu mais em tecnologias, novas práticas no uso e melhor aproveitamento da água e hoje o Tocantins está recebendo um dos maiores projetos do mundo, que é o Prodoeste - Programa de Desenvolvimento da Região Sudoeste, que foi concebido a partir do projeto do Rio Urubu e que agora se expande para o Rio Pium, Rio Formoso e Rio Dueré, viabilizando mais de 300 mil hectares de área irrigada com mercado garantido e já tem recursos garantidos no valor de US$ 99 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento”, afirmou.

As sementes de soja produzidas no sistema de irrigação do Tocantins, segundo Café, abastecem todo o cerrado brasileiro, o arroz abastece todo o Norte e Nordeste Brasileiro, as frutas como melão e melancia vão inclusive para outros países do Mercosul - Mercado Comum do Sul, além de abastecer o mercado local nos meses de maio, junho, julho e agosto.

Além dos cultivos acima, o Tocantins já é destaque na produção de cana de açúcar. “Temos o Prodecer - Programa de Cooperação Nipo-Brasileiro para o Desenvolvimento dos Cerrados, outra tacada certa do Governador Siqueira Campos, que teve a ousadia de avalizar o projeto que hoje tem uma das maiores usinas de processamento de álcool do mundo que é a Bunge, que conta mais de 30 mil hectares de cana irrigada, sendo a melhor do Brasil em teor de sacarose e a mais produtiva com maior número de toneladas por hectares do país”, destacou.

Outro exemplo que deu certo graças ao potencial irrigável do Tocantins foi o projeto São João, que a atual administração recebeu sem energia e com lotes abandonados. “Já colocamos energia, através da ativação das barragens, fizemos licitação junto à do Projeto Manuel Alves, que também estava sem energia, e fizemos uma subestação”, enfatizou o secretário.

Pensando na diversidade de produtores e para atender as necessidades do agricultor familiar, o Governo mudou o foco do Projeto Sampaio. “A nova concepção de produzir leite a pasto naquela região e atende a carência dos pequenos produtores com sustentabilidade no negócio (produzindo em um hectare o que antes produzia em 11), cuidando do meio ambiente, do social e tendo o retorno financeiro, com a garantia de que o produto seja comercializado”, destacou Café, acrescentando que a comercialização do leite produzido no projeto tem saída garantida para oito laticínios instalados na redondeza e que o Ruraltins - Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins dá todo o suporte necessário para que os negócios prosperem.

Apesar de todos os avanços, o Governo ainda busca recursos junto ao Ministério da Integração, nos bancos internacionais e no BNDES – Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social para realizar os barramentos necessários. “Esta água que temos em abundância fica precária em uma época do ano e o poder público tem a obrigação de garanti-la para que a iniciativa privada possa usá-la das mais diversas formas. No Tocantins temos diversas vantagens, como terras boas, clima favorável e muita gente com vontade trabalhar e viver da terra”, enfatizou.

Outras fontes de recursos também estão sendo procuradas, conforme o secretário. “Estamos buscando recursos junto a bancos italianos para investir no Propertins - Programa de Perenização das Águas do Tocantins, que fica no Sudeste do Estado e é especial, pois fica em uma região com chuvas precárias e que tem terras boas para fruticulturas como a uva, que tem mercado bom e pessoas com interesse em investir para exportação, que será viabilizada com a adequação do aeroporto que também já está sendo viabilizado pelo Governo”, pontuou.

Ainda segundo o secretário, investir na agricultura, seja ela irrigada ou não, é sempre um grande passo em busca do desenvolvimento. “Os salários oferecidos na agricultura são bons e as condições que o Governo tem dado para os pequenos agricultores estão proporcionando qualidade de vida ao homem do campo e das pequenas cidades. Onde a agricultura é forte, a demanda pela mão de obra é muito grande e isso significa mais emprego e desenvolvimento para as regiões, o que é objetivo do Governo Estadual”, finalizou.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink