Transgênicos não vêm de seringas, diz especialista 

OGMs

Transgênicos não vêm de seringas, diz especialista 

Geneticista afirma que se tem uma imagem errada de como os transgênicos são produzidos
Por: -Leonardo Gottems
216 acessos

O especialista Larry Gilbertson, geneticista da Bayer, afirmou que os alimentos transgênicos “não vêm de seringas”, em uma alusão ao mal entendimento da maioria das pessoas sobre o tema. De acordo com ele, existe uma ideia de que os transgênicos são totalmente artificiais, mas ele afirma que isto não está correto. 

“No mês passado, um artigo interessante da Newsweek apareceu no meu feed de mídia social. O título era ‘Comida transgênica: os oponentes mais extremos sabem menos, mas acham que sabem mais’. Como um homem que vem desenvolvendo cultivos transgênicos há mais de vinte anos, isso me chamou a atenção. Mas o que mais me chamou a atenção foi a foto que acompanhava o artigo: um tomate sendo injetado com uma seringa. Agora, esse tipo de imagem não é novidade. O meme da seringa em um tomate já existe há décadas, mas realmente me incomoda porque reforça uma imagem de OGMs (organismos geneticamente modificados) que está errada. Talvez eu possa ajudar a esclarecer as coisas”, comenta. 

De acordo com ele, o processo pelo qual se faz ou se desenvolvem plantas transgênicas, também conhecidas como plantas OGM, é chamado de transformação vegetal. “Acontece todos os dias no meu laboratório e em outros na divisão de ciência das culturas da Bayer. Eu já vi isso de muitas maneiras, em muitas culturas, a cada passo do caminho, do começo ao fim. Você sabe o que eu nunca vi durante este processo? Uma seringa com uma agulha. Nem uma vez. No entanto, se você pesquisar a imagem do Google de "OGM", verá muitas imagens de tomates injetados com seringas.”, indica. 

“Os cientistas nunca usaram uma seringa com agulha para fazer uma colheita GM, então por que alguém criaria tal imagem? Para fazer os OGMs parecerem assustadores. Isso se encaixa na narrativa de que os transgênicos são de alguma forma ruins e podem ser usados para ajudar a vender mais alimentos rotulados como livres de transgênicos. Não importa que não haja atualmente tomates GM disponíveis no mercado”, conclui. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink