Trigo: “É melhor aproveitar a oportunidade de venda”

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Marcel Oliveira
ESTIMATIVAS

Trigo: “É melhor aproveitar a oportunidade de venda”

Os fatores de baixa são maiores e mais contundentes
Por: -Leonardo Gottems

De acordo com a TF Agroeconômica, a melhor alternativa para os detentores de trigo é aproveitar as oportunidades de venda. Para quem possui o cereal de safra velha, existe a possibilidade de pequena elevação dos preços, mas, que eventualmente não compensaria os custos de carregamento da posição. “Vender e aplicar o dinheiro na compra de insumos para o plantio de trigo da safra nova talvez compensasse mais”, comenta a consultoria. 

Já para a safra nova, “nossa recomendação é a de que sejam aproveitadas logo, antes que caiam mais, as cotações ainda altas nos mercados futuros, como mostramos em nosso demonstrativos logo abaixo. Para a safra 2021/22 a tendência dos preços, tanto no mercado internacional (que regula a exportação) quanto no Brasil, deverá ser de preços inferiores aos obtidos na safra 2020/21, devido ao aumento da área plantada em todo o mundo, inclusive no Brasil”, completa.  

Dentre os fatores de baixa estão a expectativa de safras maiores, a queda das cotações em Chicago e as perspectivas técnicas. “Os indicadores técnicos apontam para a possibilidade de queda até $570 em Chicago, ou mais US$ 13,67/tonelada, quando forem confirmadas as colheitas do Hemisfério Norte e os aumentos de plantio no Hemisfério Sul, dentro de 30 dias”, indica. 

Levando em consideração os fatores de alta, “a escassez de matéria prima no Brasil e a necessidade de importação, somada à alta cotação do dólar, deverá manter os preços não somente elevados, mas em elevação, como vimos afirmando desde dezembro do ano passado, confirmados em janeiro, fevereiro e março pela alta dos preços domésticos exatamente nos níveis previstos”, conclui a consultoria. 

 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink