Trigo: Instabilidade cambial pode afetar Brasil

ANÁLISE

Trigo: Instabilidade cambial pode afetar Brasil

Nesta quinta-feira o cereal bateu 10.000 Pesos Argentinos por tonelada na região de Rosário
Por: -Leonardo Gottems
430 acessos

“Mercado loucura!” foi a expressão usada pelo site valorsoja.com, para descrever a situação a que chegaram os preços do trigo na Argentina, nesta quinta-feira (13.09): 10.000 Pesos Argentinos (AS$) por tonelada na região de Rosário. “A falta de estabilidade cambial, combinada com uma situação de escassez sazonal da mercadoria levaram aos preços do trigo da safra 2017/18 a níveis estratosféricos”, explica a T&F Consultoria Agroeconômica.

Os últimos dados oficiais disponíveis, correspondentes a 5 de setembro último, indicam que a exportação adquiriu 11,98 milhões de toneladas de trigo 2017/18, para um saldo exportável de 12,3 milhões de toneladas, segundo a Secretaria de Agroindústria.

“Deste total, os Traders já registraram 11,94 milhões de toneladas vendidas ao exterior, referentes a compromissos de embarques a serem realizados até o próximo mês de novembro. A escassez de mercadoria disponível foi potencializada nas últimas duas semanas, a partir da reticência em vender por parte dos produtores que ainda conservam trigo 2017/18, dado que a margem de negócio melhora à medida que aumenta a progressiva depreciação da moeda argentina”, conta Pacheco.

“Na atual conjuntura, o setor moageiro se encontra comprometido, dado que precisa superar as ofertas do setor exportador para poder originar lotes de trigo com alta qualidade para panificação. Este brutal aumento dos preços internos do trigo na Argentina terá reflexos diretos no Brasil, tanto na aquisição do trigo em grão, quanto na aquisição de farinhas, como mencionamos no artigo acima. Se os preços de AS$ 10.000 se confirmarem como preços de mercado inclusive para a exportação, muito provavelmente a Argentina perderá competitividade frente a trigos de outras origens, como o americano, por exemplo, ou até o trigo canadense”, conclui.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink