Trigo: Perdas no Paraguai podem refletir no preço

GEADAS

Trigo: Perdas no Paraguai podem refletir no preço

Pode zerar a disponibilidade de exportação do país
Por: -Leonardo Gottems
421 acessos

A frente fria polar que assolou o Paraguai na semana passada provocou geadas que causaram estragos na maior parte dos cultivos de trigo, canola e aveia, além de destruir as plantações hortícolas que estavam fora das estufas. De acordo com a Consultoria Trigo & Farinhas, isso pode zerar a disponibilidade de exportação do país e refletir do preço do cereal de inverno.

De acordo com jornais paraguaios, a região menos afetada foi o sul de Itapúa, onde os trigos ainda não tinham desenvolvido perfilhos ou grãos. Nesta região o cultivo do trigo não estava espigado, portanto a geada não causou danos. No departamento de Alto Paraná, por outro lado, o efeito foi drástico. 

“A geada foi muito forte e afetou muitíssimo. O que já era trigo foi perdido. A canola já não existe, A aveia, tampouco. O que era verde, agora é amarelo. Se esta região foi alcançada pela geada significa que quase todo o país foi atingido, porque dificilmente elas chegam aqui”, relataram produtores locais.

Relatório da Consultoria Agridatos informa que os vendedores paraguaios esperam vender seu trigo entre US$ 240/US$ 250 FOB daqui para frente. O maior efeito das geadas e da seca parece ser a redução dramática no volume de exportações.

“Se as perdas ficarem em 30%, por exemplo, o Paraguai só terá trigo para o seu abastecimento interno, deixando os moinhos do Oeste do PR inteiramente desabastecidos pelo menos no que toca ao trigo desta origem (e com as quebras no interior do Paraná, o desabastecimento deverá ser ainda maior”, aponta a T&F.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink