ANÁLISE

Trigo segue com fundamentos altistas

Preços em Chicago estiveram pressionados
Por: -Leonardo Gottems
357 acessos

Na avaliação da Consultoria Trigo & Farinhas, o mercado internacional de trigo continua tendo fundamentos altistas. Entre os fatores de suporte a T&F aponta menores estoques nos Estados Unidos e no Mundo, bem como maior demanda mundial e problemas nas colheitas da Argentina e da Austrália.

No entanto, o analista da Consultoria Trigo & Farinhas Luiz Fernando Pacheco ressalta que os preços em Chicago estiveram pressionados durante quase toda a semana. Segundo o especialista, isso se deu pelas quedas nas exportações norte-americanas e europeias de trigo, além de baixas cotações do milho e ainda pelos movimentos especulativos dos fundos de investimento, que continuam provocando altas e baixas para obterem lucro, simplesmente, sem quase nenhuma outra razão para isto. 

“A área de trigo de inverno nos EUA deve ser menor e os Fundos diminuíram em 16.509 contratos sua posição comprada em Chicago (para 108.576 contratos), segundo relato da CFTC (Comissão de Negociação de Futuros de Commodities, na sigla em inglês) desta sexta. Os preços do trigo argentino, principal fornecedor e futuro balizador dos preços no Brasil, recuaram 2,24% para o trigo com 12,0% de proteína, 2,30% para o trigo com 11,5% e 3,45% para o trigo com 10,5%”, explica Pacheco.

De acordo com o analista da Consultoria Trigo & Farinha, por enquanto as vendas de trigo argentino estão mais concentradas no Sudeste e no Norte/Nordeste do país: “Isso porque a região Sul ainda está colhendo a sua safra 2017/18, mas, a partir de janeiro, com mais intensidade a partir de março, as importações do Sul também deverão se fazer sentir”.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink