Um oásis cresce na árida caatinga

GESTÃO

Um oásis cresce na árida caatinga

Tecnologia israelense de irrigação está transformando uma região no nordeste baiano com o conceito de gestão inteligente da água
Por:
1150 acessos

Um oásis em plena caatinga. É assim que chamam o Sítio do Paraíso localizado no município de Ribeira do Amparo, na região nordeste da Bahia. Ali se produz, desde 2015, banana prata (tipo Catarina) que, com um projeto bem implantado de irrigação, conseguiu transformar um cenário árido (quase de praia) em um campo verde e produtivo.

O segredo da eficácia do Sítio Paraíso é a implantação da irrigação dentro do conceito de gestão no uso da água. A ideia de investir nesta tecnologia, no Sítio Paraíso, partiu da necessidade de ter água para produzir. “Antes era uma terra Inviável para agricultura. Um solo arenoso como se fosse praia. A pluviosidade média/ano é de 700 mm. Mas, ao mesmo tempo, estamos sob o berço de um ‘gigante adormecido’, um imenso lençol freático muito aflorado, com potencial para a agricultura e pecuária”, diz Maria Lucimeire Andrade Fontes da Cruz, agrônoma e proprietária do Sítio. A produtora relata que com a irrigação mudou completamente o cenário produtivo da região. “Este ano já observamos um ganho de produção, porque o peso médio do cacho já ultrapassa os 25kg, e pode chegar a 30kg”, afirma Lucimeire.

A fornecedora da tecnologia para irrigação foi a RIVULIS PLASTRO IRRIGAÇÃO, player de referência mundial em microirrigação e fertirrigação, que se diferencia no Brasil, por entregar resultado de eficiência na irrigação e eficácia na gestão inteligente da água.

Para aumentar a eficiência no uso da água em irrigação e reduzir custos Lucimeire conta que adotaram a tecnologia Manna Irrigation, da Rivulis. Por causa da necessidade de usar a água vinda de poços há um custo elevado de energia pelo uso de bombas de sucção. “Com o Manna fazemos o uso mais assertivo da irrigação e, por isto temos economia de água e de energia uma vez que ele avisa quando é necessário irrigar e qual a quantidade. É um investimento decisivo porque nessa região só temos agricultura se for com irrigação”, afirma.

O Manna é uma tecnologia de monitoramente da lavoura que faz, via satélite, uma varredura de toda a área plantada, indicando ao produtor qual parte da plantação precisa de mais ou menos irrigação. A instalação é fácil, é só definir seus campos, culturas e data de plantio. Em 24 horas, o sistema está pronto para fornecer recomendações de irrigação para cada zona de irrigação. A tecnologia é exclusiva Rivulis e possui interface aberta que permite integração com outros tipos de irrigação e pode ser operado de qualquer lugar onde o produtor esteja. Hoje, o Manna é usado por 60 países em mais de 40 tipos de culturas, e no Brasil, já comprovou sua eficiência em grãos, café, banana, algodão feijão e silvicultura. “Já são mais de 3 mil hectares ativos sendo monitorados pela ferramenta”, afirma Mateus Tizzo especialista Manna da Rivulis no Brasil.

E é – exatamente – o que acontece no Sítio Paraíso. Através do mapeamento e monitoramento – via satélite – do Manna -, Lucimeire explica que consegue identificar desde escassez ou excesso de irrigação, problemas de fitossanidade e, até mesmo, problemas de nutrição. “Além da banana, fazemos outras culturas de ciclo curto para uma melhor rotação das áreas, com o objetivo de trabalhar o solo”, salienta.

Por conta da aridez do solo, fazem adição de matéria orgânica líquida e sólida. Lucimeire conta que, precisa melhorar a qualidade da solução do solo, que está com pH acima de 8,5. “Isso é um fator limitante para absorção de nutrientes pela planta, consequentemente, menor produtividade por área plantada. Mas estamos chegando ao solo ideal e queremos ampliar a produção. Temos 30 hectares para crescer e irrigar que, possivelmente, será com bananas”, antecipa a engenheira agrônoma e proprietária do Sítio Paraíso.

Crescimento no Brasil
Integrante do FIMI Opportunity Funds, principal fundo de privat eequity de Israel, a RIVULIS que está no Brasil desde 2015, com sede em Uberlândia/MG, aposta no potencial do país. Em 2018, a empresa cresceu 9,5%, ampliou seu share em 3% e conquistou 318 novos clientes. Para 2019, a RIVULIS tem a expectativa de crescer, além dos 12% (média anual atingida pela empresa desde a chegada ao país, em 2015). Para o gerente nacional de vendas da Rivulis no Brasil, Guilherme Souza, o cenário brasileiro da irrigação tem muito potencial para crescer.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink