Unificação do sistema de inspeção sanitária entra em operação em até 60 dias no PR

Agronegócio

Unificação do sistema de inspeção sanitária entra em operação em até 60 dias no PR

Unificação do sistema de inspeção sanitária entra em operação em até 60 dias no Paraná
Por:
193 acessos
Entre os próximos 30 a 60 dias as pequenas, médias e grandes agroindústrias do Paraná, que já passaram por processo de adequação de procedimentos estabelecidos

Entre os próximos 30 a 60 dias as pequenas, médias e grandes agroindústrias do Paraná, que já passaram por processo de adequação de procedimentos estabelecidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, deverão estar em condições de solicitar seu enquadramento junto ao Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) e Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi). Esse enquadramento vai beneficiar principalmente as agroindústrias familiares, que terão permissão para vender seus produtos para todo o Brasil, o que significa ampliação de mercado, renda e de trabalho. O anúncio da medida foi feito nesta segunda-feira (3) pelo secretário nacional da Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Inácio Kroetz, em Curitiba.

Kroetz e o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Valter Bianchini, abriram o primeiro curso do Suasa/Sisbi para 60 técnicos em inspeção animal de todo o Brasil. Desse total, 48 técnicos são do Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Bahia, que já solicitaram suas adesões ao sistema unificado de inspeção vigente no País. Os demais técnicos pertencem a outros Estados que ainda vão se readequar para serem enquadrados no novo sistema.

Segundo o secretário Bianchini, cerca de seis agroindústrias paranaenses já foram auditadas e estão em fase de cumprimento das normas de inspeção sanitária estabelecidas pelo novo sistema. “Essas empresas estão em fase de obter essa certificação graças aos processos de boas práticas e harmonização dos procedimentos conforme prevê o Ministério da Agricultura”, afirmou.

Segundo Bianchini, mais de 400 agroindústrias paranaenses já estão integradas no sistema estadual de inspeção, com possibilidades de avançar para esse sistema único de certificação. Este curso realizado em Curitiba está trazendo o que existe de melhor em profissionais técnicos do serviço de sanidade do Ministério da Agricultura e das universidades. O primeiro palestrante foi o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura, Nelmon de Oliveira.

Para Bianchini, é a oportunidade para as agroindústrias paranaenses levarem produtos de qualidade para todo o Brasil: “Ganha o consumidor brasileiro, que poderá ter acesso a mais essa diversidade de produtos da agroindústria familiar do Paraná em todo o território nacional”. Segundo o secretário, a Feira Sabores do Paraná realizada recentemente em Curitiba demonstrou, com a participação de 250 agroindústrias e mais de 1.500 produtos, o potencial desse setor.

O primeiro curso técnico está sendo realizado no Paraná porque foi o primeiro Estado a entrar com pedido de equivalência para ser enquadrado no novo sistema de inspeção. Antes da adesão, os Estados passam por uma auditoria do Ministério para verificar se as normas estão sendo cumpridas.

Segundo Kroetz, o Suasa/Sisbi praticamente unifica a inspeção sanitária que antes era dividido na esfera, federal, estadual e municipal. Assim, somente as empresas que conseguiam a certificação de inspeção junto à esfera federal podiam vender seus produtos em outras regiões do País. Pelo princípio da equivalência, o novo sistema vai permitir que estados e municípios possam comercializar produtos de origem animal entre regiões com sistemas de inspeção equivalentes, explicou.

É a oportunidade para as pequenas, médias e até para grandes empresas que não têm certificação federal para vender seus produtos em outros Estados, desde que obtenham a certificação junto ao novo sistema e estejam de acordo com as normas estabelecidas. “Com isso garantimos a sanidade e a qualidade dos produtos para o consumidor”, disse Kroetz. “Com este novo sistema, é necessário harmonizar os procedimentos, conscientizar os técnicos para o cumprimento das principais normativas”, disse Kroetz. “Esse curso representa a continuidade dos preparativos do Ministério da Agricultura junto a Estados e municípios para que eles possam aderir plenamente ao novo sistema”, acrescentou.

De acordo com o diretor do Departamento de Fiscalização e da Defesa Agropecuária (Defis) da Secretaria da Agricultura, Silmar Bürer, a legislação sobre inspeção sanitária no Paraná é compatível com a legislação nacional, com o mesmo padrão de exigência. O que difere é a escala dos estabelecimentos. O Estado vem investindo em contratação de pessoal e em capacitação para manter um bom padrão de fiscalização agropecuária nas agroindústrias.

Com esse processo e as boas práticas da agroindústria paranaense, a tendência é ampliar os nichos de produtos que estão surgindo no Estado. É o caso de vinícolas e queijarias especiais. Muitas vinícolas contrataram enólogos especializados para consultoria e já é possível encontrar uma diversidade de 12 a 15 queijos especiais que antes não eram fabricados por aqui, disse o chefe da Inspeção de Produtos de Origem Animal, da Secretaria, João Carlos Rocha Almeida.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink