Vacas da Embrapa em Juiz de Fora (MG) estão sendo obrigadas a fazer dieta
CI
Agronegócio

Vacas da Embrapa em Juiz de Fora (MG) estão sendo obrigadas a fazer dieta

Por:

As vacas que compõem o rebanho holandês da Embrapa Gado de Leite, em Juiz de Fora (MG), estão em dieta forçada. Elas comem menos ração enriquecida do que deveriam. O motivo: a liberação dos recursos pelo governo federal, além de restritos, não têm mantido um fluxo regular. Com isso, os cortes nas despesas acabaram por se tornar inevitáveis.

A consequência da alimentação reduzida para o gado é que algumas vacas que chegavam a produzir até 50 litros de leite por dia, agora, só conseguem produzir a metade. "É lamentável. O gado precisa se alimentar bem e não pode esperar. O rebanho holandês [cerca de 350 cabeças] é do mais alto nível genético, e tivemos que abdicar do concentrado [a ração]", disse Marcos Antônio de Freitas, técnico da unidade da Embrapa e presidente da seção juiz-forana do Sinpaf (Sindicato dos Trabalhadores de Pesquisas Agropecuária e Florestal).

A produção leiteira na unidade Gado de Leite, que possui cerca de 1.200 animais, caiu de aproximadamente 6.000 litros de leite/dia para 3.500 litros/dia. A restrição alimentar atinge a maior parte dos animais e, por isso, unidade deixa de ganhar também com a venda do leite. Mas os problemas não ficam restritos a isso. A unidade é a responsável por investir em programas que visam transferir tecnologia para o combate de doenças do gado leiteiro.

O Macro Programa 4 deveria ter começado em janeiro, mas, no momento, está parado. "Até agora não chegou nenhum centavo", disse Marne Moreira, do setor de Transferência de Tecnologia. Na outra unidade mineira da Embrapa, a Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, o último trator foi comprado há dez anos. A única colheitadeira de que dispõe os técnicos tem mais de 20 anos.

"Muitas vezes dependemos de empréstimos. Uma colheitadeira de Uberlândia foi alugada umas quatro vezes. A nossa fica mais no estaleiro do que trabalhando", disse o presidente da seção Sete Lagoas do Sinpaf, Antônio Geraldo Oliveira.

"A situação é crítica. Teve época em que tivemos que negociar com a companhia energética duas contas que estavam atrasadas. Neste ano ainda não conseguimos nenhuma produção de semente. A prioridade é a manutenção do centro [de 2.000 ha, com 800 hectares plantados com milho e sorgo]." Os projetos com o milho e com o sorgo em Sete Lagoas foram reduzidos de 14, em 2001, para 6, desde o ano passado. "Do jeito que vai, a tendência é só piorar", disse Oliveira.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.