Soja

Vaivém – Soja segue exemplo do café e não vai além da exportação de grão

O país se distancia cada vez mais, porém, das receitas mundiais geradas por esse produto.
Por:
780 acessos

A industrialização e a geração de "blends" (misturas) para a bebida com cafés de diferentes regiões do mundo são o que interessam hoje ao mercado internacional.

O Brasil, contudo, fecha as portas a esse tipo de industrialização e comercialização da bebida, proibindo a importação de café verde.

Com isso, o café perde espaço nas receitas externas obtidas pelo país com as exportações do agronegócio.

É a soja que agora ganha corpo. O Brasil é o maior exportador da oleaginosa e caminha também para ser o maior produtor mundial, desbancando os Estados Unidos.

A soja segue, porém, o caminho do café. Enquanto a exportação de soja em grãos da Argentina atinge apenas 14% do que ela produz, a do Brasil é de 60%. A tributação argentina dificulta a exportação do grão, ao contrário da brasileira, que a facilita.

O Brasil necessita exportar soja em grãos –e vai continuar exportando–, mas deveria aumentar mais a industrialização do produto, acrescentando valor agregado.

Isso não será fácil, uma vez que o maior importador do mundo, a China, já se antecipou e definiu como quer a matéria-prima.

Os chineses facilitam as importações de grãos e dificultam as de farelo e de óleo.

O cenário para o mercado ficará ainda mais complicado nos próximos anos.

Afinal, as tradicionais "tradings" começam a sofrer a concorrência de grandes estatais chinesas, que estão adquirindo empresas no setor e entrando na comercialização de soja.

PROTEÍNAS

O crescimento interno da produção de proteínas já dá mais espaço para a industrialização. A agregação de valor poderá vir ainda da utilização maior da matéria-prima como fonte energética, tanto na produção de biodiesel como na de etanol.

Dados da Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais) apontam que a elevação da taxa de mistura do biodiesel ao diesel dos 8% atuais para os 10% esperados para o próximo ano aumentaria a moagem de soja para 43 milhões de toneladas, 1,5 milhão mais.

A moagem de soja especificamente para a produção de biodiesel subiria para 17,9 milhões de toneladas, 17% da produção do país. A soja tem participação de 75% na matéria-prima usada na fabricação do biodiesel.

A produção de óleo de soja sairia dos atuais 8,2 milhões de toneladas para até 8,5 milhões. Deste volume, 3,6 milhões seriam usados na produção de biodiesel.

Isso, além de elevar o valor agregado da soja, reduziria a importação de óleo diesel pelo país e a emissão de poluentes.

Tomando como base um crescimento de 2% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2018, a Abiove estima um consumo de 56 bilhões de litros de diesel B para o período. O consumo total de biodiesel seria de 5,4 bilhões de litros, prevê a associação.

Esses cálculos consideram uma mistura de 8% de biodiesel ao diesel nos meses de janeiro e fevereiro e de 9% ou de 10% de março a dezembro do próximo ano.

A industrialização interna da soja, contudo, vai exigir uma política mais agressiva do país nas negociações com tradicionais importadores de soja e seus derivados.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink