VI CBUC debate soluções para conservação da natureza

Agronegócio

VI CBUC debate soluções para conservação da natureza

Congresso tem como objetivo discutir e apresentar soluções práticas que contribuam para amenizar os efeitos das mudanças climáticas
Por: -Janice
412 acessos

O VI Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), promovido pela Fundação O Boticário de Proteção à Natureza de 20 a 24 de setembro, em Curitiba, reúne alguns dos principais líderes mundiais para debater soluções e alternativas para a conservação da natureza.

As inscrições antecipadas e com desconto podem ser feitas até o dia 21 de agosto diretamente no site do evento www.fundacaoboticario.org.br/cbuc.

O tema do VI CBUC é "Conservação das áreas naturais num mundo em transformação" e tem como pano de fundo a discussão de ações práticas que contribuam para amenizar os efeitos nocivos das mudanças climáticas à manutenção da vida Terra.

"É fundamental fazermos essa ligação da conservação da natureza com a nossa vida e ampliar a discussão de "É "É fundamental fazermos essa ligação da conservação da natureza com a nossa vida e ampliar a discussão de que a proteção ao meio ambiente é o que vai garantir a vida do homem na Terra", afirma a diretora executiva da Fundação O Boticário, Malu Nunes.

Do evento sairá um documento científico com uma posição dos especialistas reunidos no congresso sobre mudanças climáticas. O objetivo é contribuir e influenciar as decisões que serão tomadas pelo Brasil na COP15 (15ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), que acontece em dezembro, na Dinamarca.

As regras definidas na COP15 entram em vigor em 2012 e vão definir o que o mundo vai fazer em relação às mudanças climáticas daí em diante. "É um momento crucial de definições. Estamos trabalhando forte para contribuir com soluções que possam agregar às decisões", diz Malu.

Nas conferências do VI CBUC serão apresentados e debatidos exemplos e alternativas de como aliar a conservação da natureza ao desenvolvimento econômico. Um dos destaques é a presença do economista ecológico do Instituto de Economia Ecológica da Universidade de Maryland, Robert Costanza, que vai debater o tema "O desafio do século 21: como integrar a conservação da natureza com o desenvolvimento econômico?".

José Goldemberg, do Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados, na Áustria, e da Universidade de São Paulo, vai apresentar um painel sobre as buscas da ciência por soluções que garantam a sustentabilidade da vida na Terra. Gunars Platais, do Banco Mundial, nos EUA, é um dos conferencistas que vão apresentar casos bem sucedidos de pagamentos por serviços ambientais; e Thomas Lovejoy, do Heinz Centre (EUA), vai relacionar as mudanças climáticas aos desafios da conservação.

Paralelamente às conferências, acontece o II Simpósio Internacional de Conservação da Natureza, voltado para discussões técnicas sobre conservação da natureza, como invasão de espécies exóticas, uso público de áreas protegidas, gestão de unidades de conservação, proteção da biodiversidade em oceanos e no litoral, e pagamento por serviços ecossistêmicos.

III Mostra de Conservação da Natureza - Além da programação oficial de conferências e seminários, junto com o IV CBUC acontece a III Mostra de Conservação da Natureza, que é aberta ao público. Na Mostra, organizações governamentais e não-governamentais, empresas, universidades, entre outras instituições, poderão apresentar e disseminar suas ações voltadas para proteção do meio ambiente. A compra de estandes para a Mostra é feita pelo site do evento.

Redução de emissões- Na quinta edição do congresso, em 2007, a Fundação O Boticário mensurou pela primeira vez as emissões de gases de efeito estufa no evento. No VI CBUC, o levantamento também está sendo feito e o foco é no transporte, atividade responsável por mais de 80% das emissões em 2007. "Na quinta edição, nós mensuramos as emissões e as neutralizamos por meio da adoção de uma área de Mata Atlântica em parceria com a ONG SPVS. Desta vez, vamos levantar as principais emissões para traçarmos um plano de redução para a próxima edição do congresso, em 2011, neutralizando somente o que não for possível reduzir", afirma Leide. As informações são da assessoria de imprensa da Fundação O Boticário de Proteção à Natureza.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink