Estudo busca feijão resistente a antracnose
CI
Imagem: Eliza Maliszewski
GENÓTIPOS

Estudo busca feijão resistente a antracnose

A doença pode levar a perdas de até 100% na lavoura
Por: -Eliza Maliszewski

Segundo o Agrolink Fito a antracnose é uma das doenças de maior importância da cultura do feijoeiro, podendo causar perdas de até 100%. A doença ocorre em locais de temperatura baixa a moderada (de 13 a 27 °C) e alta umidade (acima de 91%). Ela é causada pelo fungo Colletotrichum lindemuthianum (Glomerella cingulata) e o sintoma da doença ocorre normalmente seis dias após a infecção e pode ser observado em toda a parte aérea da planta. Causa lesões necróticas de coloração marrom-escura nas nervuras na face inferior da folha e na parte superior das folhas. Estas lesões também podem ser produzidas no caule, vagens e nos pecíolos.

Nas vagens, as lesões iniciam como pequenas manchas e crescem gradativamente no sentido longitudinal, são circulares, deprimidas, de tamanho variável, com centro claro bordos escuros e salientes, circundado por um anel pardo-avermelhado. Os sintomas nas vagens, além de diminuir o rendimento, podem causar manchas nos grãos, depreciando seu valor de mercado, podendo inviabilizá-lo para o consumo.

Um projeto mantido pelo Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP) da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (Uniarp), em Caçador (SC), está investigando a seleção de genótipos de feijão de alta produção e com resistência a patógeno causador da antracnose. 

O projeto de iniciação científica está sendo desenvolvido pela acadêmica do curso de Agronomia, Bruna Gustmann Lazzaretti sob a orientação da professora doutora Nicole Trevisani. A pesquisa começou a ser desenvolvida em fevereiro e terá duração de 12 meses. 

De acordo com Bruna, a resistência genética é uma estratégia eficiente utilizada em programas de melhoramento, em que a partir da seleção inicial entre diferentes genótipos e a hibridação destes genótipos resistentes selecionados com cultivares de alto potencial produtivo, resulta em novos genótipos, agronomicamente superiores. 

Estão sendo avaliados dez genótipos a campo, quanto a resistência a antracnose, por meio de uma escala diagramática de notas, proposta pelo Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT). Após essa etapa inicial, serão realizados cruzamentos manuais, entre genótipos resistentes e cultivares produtivas. A expectativa é que os resultados finais da pesquisa, trarão informações importantes aos produtores rurais da região Sul.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink