Bula Acert

acessos
Propaquizafop
2093
Adama

Composição

Propaquizafop 100 g/L Ácido ariloxifenoxipropiônico

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Inflamável
Não Classificado
Concentrado Emulsionável (EC)
Seletivo, Sistêmico, Pós-emergência
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura do algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 4 perfilhos
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura do algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura do algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura do algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura do algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura do algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 4 perfilhos
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Arroz vermelho
(Oryza sativa)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 2 - 3 folhas a 1 perfilho
Aveia
(Avena sativa)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 4 folhas a 2 perfilhos
Aveia preta
(Avena strigosa)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 4 folhas a 2 perfilhos
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 2 - 3 folhas a 1 perfilho
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 4 perfilhos
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 5 perfilhos
Cevada
(Hordeum vulgare)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 4 folhas a 3 perfilhos
Milho
(Zea mays)
0,7 a 1 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 4 - 8 folhas - 20 a 40 cm
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 3 - 4 folhas a 4 perfilhos
Trigo
(Triticum aestivum)
1,25 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender as necessidades das culturas. 85 dias. Aplicar após a semeadura da soja na pós-emergência das culturas e das invasoras, estando a planta invasora com estádio de 4 folhas a 2 perfilhos

Frasco de polietileno de 1 L
Bombona de plástico de 2,5, 3, 5, 10, 15, 20, 25, 30, 40, 50 L
Frasco plástico/metálico de 0,2, 0,25, 0,3, 0,4, 0,5, 0,6, 1, 1,5, 2, 2,2 L
Balde metálico 2,5, 3, 5, 10, 15, 20, 25, 30, 40, 50 L
Tambor plástico/metálico de 50, 100, 150, 200, 250, 400, 500 L
Container plástico/metálico de 500, 1000, 2000, 5000, 10000, 15000, 20000, 25000, 30000 L
Tanque metálico/fibra de vidro 500, 1000, 2000, 5000, 10000, 15000, 20000, 25000, 30000 L
Isotanque plástico/metálico 500, 1000, 2000, 5000, 10000, 15000, 20000, 25000, 30000 L

INDICAÇÕES DE USO: ACERT é um herbicida seletivo com ação na pós-emergência das gramíneas, indicado nas culturas de soja e algodão. Sua utilização na cultura de soja poderá ser feita tanto no sistema de plantio convencional como no plantio direto.

MODO DE AÇÃO:
ABSORÇÃO: Quando pulverizado sobre as folhas, ACERT é absorvido com muita rapidez, a ponto de que a incidência de chuvas após 1 hora da aplicação, não afeta mais a eficiência do tratamento.

TRANSLOCAÇÃO: O ingrediente ativo - Propaquizafop - é translocado nas plantas através do xilema e floema, vindo a acumular-se nas regiões meristemáticas (pontos de crescimento), local de sua ação.

EFEITO BIOLÓGICO: Um a dois dias após o tratamento, as gramíneas tem seu crescimento paralisado. Gradualmente ocorre a degeneração dos tecidos meristemáticos, fenômeno que se pode constatar arrancando as hastes das plantas afetadas. Normalmente, após cinco dias ocorre a mudança de coloração nas folhas das gramíneas que se tornam inicialmente amareladas, e posteriormente necrosadas. A morte total da planta observa-se após 10 a 20 dias da aplicação do produto e depende da sensibilidade da espécie, bem como da condição climática.

SELETIVIDADE: ACERT é um herbicida específico no controle das gramíneas. O produto apresenta boa seletividade para as culturas indicadas - soja, algodão, mesmo em plantas jovens.Algumas variedades de cultivos mencionados, poderão manifestar ligeiros sintomas de fitotoxicidade, aproximadamente 5 a 6 dias após aplicação do produto, com manifestação de pequenas pontuações cloróticas e leve necrose, porém, estes sintomas desaparecem no decorrer de alguns dias. Estes sintomas estão restritos às folhas superiores e não afetam no desenvolvimento e produtividade normais da cultura.

CARACTERÍSTICAS DAS ÁREAS DE UTILIZAÇÃO/OBJETIVOS DOS TRATAMENTOS: ACERT caracteriza-se pela sua ação graminicida pós-emergente, por excelência, sobretudo nas espécies anuais, sendo recomendado nas seguintes situações:
- Como tratamento básico pós-emergente:
Nas infestações predominantes de gramíneas como, por exemplo: Capim marmelada (Brachiaria plantaginea), Capim carrapicho (Cenchrus echinatus), Capim colchão (Digitaria horizontalis), Capim braquiária (Brachiaria decumbens) e outras.
- Como tratamento complementar:
Nas infestações mistas de invasoras, gramíneas e folhas largas visando o controle das gramíneas nas áreas que receberam tratamento para o controle das folhas largas. Na ocorrência das reinfestações nas altas infestações de gramíneas que receberam tratamento pré-emergente, onde um tratamento apenas não é capaz de atender as necessidades da cultura.


MODO DE APLICAÇÃO: Aplicar o ACERT na forma de pulverização através de tratamento em área total ou localizada, na pós-emergência da cultura e das invasoras com auxílio de pulverizadores terrestres convencionais, costais ou tratorizados e aplicação aérea.

ALTERNATIVAS DE APLICAÇÃO: Tratamento único com utilização da dose integral, recomendado na maioria das aplicações do produto com a pulverização da dose total, em uma única aplicação.b) Aplicação seqüencial. Esta modalidade de tratamento é recomendada particularmente nas altas infestações de Capim marmelada, cuja espécie germina em diferentes fluxos e consiste na aplicação do produto em dose fracionada, repetindo-se o tratamento 10 a 15 dias após a 1ª aplicação.Deve-se atentar para o estádio recomendado para as ervas, estando as mesmas no máximo até 2 perfilhos.

RECOMENDAÇÕES: Culturas de soja/algodão: ACERT é aplicado com auxílio de pulverizadores convencionais tratorizados e aplicação aérea, através de tratamento em área total.Na cultura de algodão, eventualmente, na necessidade da reaplicação com plantas muito desenvolvidas, poderá ser realizada aplicação dirigida para evitar o efeito guarda-chuva, observando-se o estádio recomendado para as ervas. Neste caso recomenda-se a utilização de pulverizadores costais pressurizados ou manuais.

RECOMENDAÇÕES DE USO: APLICAÇÃO NA DOSE TOTAL: As doses de ACERT deverão ser definidas segundo o estádio de desenvolvimento das invasoras, bem como da sensibilidade das espécies.

APLICAÇÃO SEQUENCIAL: Nesta modalidade de aplicação o tratamento com ACERT deve ser realizado em duas etapas:

OBSERVAÇÃO: 1,25 l de produto comercial/ha = 125 gramas de ingrediente ativo / ha. Adicionar sempre, o óleo mineral nas doses recomendadas pelo fabricante, nos tratamentos com ACERT. Usar a menor dose para as situações de infestações menores e ervas daninhas menos desenvolvidas.

ÉPOCA DE APLICAÇÃO: ACERT é aplicado após a semeadura da soja ou algodão na pós-emergência das culturas e das invasoras.A época da aplicação do ACERT é definida basicamente pelo estádio de desenvolvimento das gramíneas. O produto é indicado exclusivamente, para o tratamento pós-emergente, e não apresenta nenhuma ação residual no solo, por isso não tem nenhuma atividade para as germinações posteriores das infestantes.

NUMERO DE APLICAÇÕES: Desde que aplicado nas condições adequadas, e com a observância dos parâmetros recomendados, normalmente, uma aplicação é suficiente para atender às necessidades das culturas.No caso de tratamentos com aplicação seqüencial cuja aplicação se inicia mais cedo dependendo do nível de infestação (como por exemplo, nas altas infestações de Capim marmelada) haverá necessidade de realizar reaplicações para o controle das reinfestações.

FATORES RELACIONADOS COM A APLICAÇÃO DO ACERT NA PÓS-EMERGÊNCIA: Visando assegurar a máxima eficiência do produto e pleno controle das invasoras, o usuário deve atentar para os seguintes aspectos:

ESTÁDIO DAS PLANTAS DANINHAS: Observar, rigorosamente, o estádio de desenvolvimento indicado para as espécies, durante a aplicação do ACERT.

CONDIÇÕES DE CAMPO: Durante a aplicação do ACERT o solo deverá apresentar condições de umidade que mantenham a vegetação normal da cultura e também das invasoras. Não aplicar o produto após longo período de seca, principalmente, se as invasoras estiverem no estado de murcha.

INFLUÊNCIA DOS FATORES AMBIENTAIS: Umidade relativa do ar: Condições ambientais com umidade relativa acima de 60% são favoráveis para aplicação do produto.Temperatura: Condições de temperaturas excessivamente altas (acima de 32ºC) são inadequadas por dificultar a absorção do produto via foliar, e as temperaturas abaixo de 15ºC interferem negativamente na atividade do produto.Horário de aplicação: Nos dias ensolarados, recomenda-se aplicar pela manhã até as 10:00 horas, e à tarde a partir das 16:00 horas, quando as condições ambientais são as mais favoráveis para a atividade do produto.OBS: Não há restrições nos dias nublados.Orvalho/Chuva: Nas condições de plantas excessivamente molhadas após uma chuva ou orvalho intenso, não aplicar o produto pois estará sujeito ao escorrimento e conseqüentemente, controle pobre das invasoras.Ventos: Ventos fortes acima de 10 km/hora são impróprios para aplicação do produto, devido a fortes derivas.

PREPARO DA CALDA: Despejar a quantidade pré-determinada do produto diretamente no tanque do pulverizador parcialmente cheio com o sistema de agitação em funcionamento. Completar o tanque mantendo-se a agitação.

USO DE ADJUVANTES: ACERT deve ser aplicado sempre adicionado de uma adjuvante - o óleo mineral - nas doses indicadas pelo fabricante, como por exemplo, o OPPA-BR a 0,5% v/v.Durante o preparo da calda o óleo mineral deve ser adicionado no final, como último componente da calda de pulverização, antes porém, de completar o tanque mantendo-se a agitação.

INTERVALO DE SEGURANÇA PARA AS CULTURAS INDICADAS: Algodão: 85 dias; Soja:85 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Até 48 horas após a aplicação, utilizar equipamento individual recomendado para o produto.

INCOMPATIBILIDADE: ACERT é incompatível, praticamente, com todos os herbicidas latifolicida pós-emergentes, portanto sua aplicação não deve ser feita associada a este grupo de produtos.Esta incompatibilidade se manifesta através da diminuição da atividade biológica do ACERT, quando aplicado em associação, com prejuízos na eficiência de controle.

INTERVALO DE APLICAÇÃO: Deve-se manter um intervalo mínimo de 10 dias, após o tratamento da cultura com herbicida latifolicidas pós-emergente, para aplicar o ACERT, de modo a assegurar o pleno funcionamento do produto e eficácia no controle das plantas daninhas.

TOLERÂNCIA DAS CULTURAS: As culturas indicadas na recomendação, são tolerantes ao ACERT nas doses aplicadas e modalidade em que é utilizado - aplicação na pós-emergência em área total - com o jato de pulverização atingindo toda a parte aérea das plantas.Por ocasião da aplicação do produto estas culturas encontram-se aproximadamente nos seguintes estádios de desenvolvimento:

Culturas, ESTÁDIO DE DESENVOLVIMENTO: SOJA, 2 a 3 trifolios; ALGODÃO: 25 a 30 cm

FITOTOXICIDADE: Na ocorrência de algum efeito sobre a cultura, o sintoma de fitotoxicidade se manifesta através de clorose, pontuações cloróticas, após o intervalo aproximado de 5 a 6 dias da aplicação que poderá desenvolver para necrose, nos casos extremos. O efeito, porém, é mais de contato localizado e praticamente não evolui; algumas plantas, entretanto, dependendo da sensibilidade varietal poderão apresentar retenção temporária no seu crescimento, mas gradativamente retoma o desenvolvimento normal. Não tem sido registrado nenhum caso de quebra de produtividade pela utilização do produto.

RESTRIÇÕES: ACERT não deve ser aplicado após longo período de seca, com as plantas daninhas no estado de "stress" por deficiência hídrica, devendo aguardar alguns dias, após a anormalização das chuvas até a retomada de crescimento das plantas daninhas para o reinício da aplicação.Não aplicar o ACERT sobre plantas daninhas muito desenvolvidas, além do estádio recomendado.Não aplicar o produto sem adição de adjuvante - óleo mineral - com prejuízos na eficiência de controle.Não aplicar o produto associado ao herbicida latifolicida pós-emergente tanto nas aplicações terrestres quanto nas aplicações aéreas.A aplicação aérea do ACERT não é recomendada nas áreas altamente infestadas de capim marmelada (Brachiaria plantaginea).Não aplicar o ACERT com plantas da cultura muito desenvolvidas, próximas ao fechamento, devido ao efeito guarda-chuva, pois haverá pobre controle das invasoras, principalmente na linha das plantas. Esta influência é mais acentuada nas aplicações aéreas.Nas altas infestações de gramíneas e nos tratamentos precoces, realizados com a cultura jovem, uma única aplicação do ACERT, normalmente, não é suficiente para conduzir até o fechamento devido a reinfestação, pois o produto não apresenta efeito residual no solo.Recomenda-se aguardar um intervalo de 10 dias após a aplicação do herbicida latifolicida pós-emergente, para o início do tratamento com ACERT.Recomenda-se um intervalo mínimo de 3 dias após a aplicação do ACERT para aplicar o herbicida pós-emergente latifolicida.Não aplicar o ACERT logo após a ocorrência de chuvas ou após intenso orvalho, com plantas excessivamente úmidas (molhadas), pois a eficiência do produto poderá ser afetada pelo escorrimento.Aplicação do ACERT via Pivot (Quimigação) não é recomendada pela falta de maiores informações sobre esta técnica de tratamento para o produto.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO: ACERT deve ser aplicado com equipamentos convencionais terrestres, pulverizadores costais, manual ou pressurizado e pulverizadores tratorizados adaptados com barras e nas áreas extensivas poderá ser feita também através da aplicação aérea, com a utilização de avião-agrícola ou helicópteros.

PULVERIZADORES TERRESTRES - PARÂMETROS RECOMENDADOS: Bicos: Utilizar bicos leque 80.02, 80.03, 80.04, 110.02, 110.03, 110.04 ou similares.Pressão da bomba: 30 a 60 libras por polegada quadrada.Volume de calda: 150 a 300 litros de calda por hectare.Observações:1) No caso da utilização de pulverizadores costais, no tratamento de áreas menores, os bicos de pulverização mais recomendados são os de leque 80.02, 80.03, 110.02, 110.03 ou similares.2) Nas regiões sujeitas a ventos constantes, a pulverização com equipamento tratorizado poderá ser realizada com uso de bicos anti-deriva do tipo Full-Jett, como o FL5, FL6.5 e FL8 e a pressão de 20 a 25 libras por polegada quadrada com o que se obtém melhor performance do produto.

APLICAÇÃO AÉREA - PARÂMETROS RECOMENDADOS PARA O AVIÃO IPANEMA: BICOS: Utilizar bicos 80.10, 80.15, 80.20; Volume de calda: 40 a 50 litros/ha; Altura do vôo: 4 a 5 m; Temperatura ambiente: até 27oC;Umidade relativa do ar: mínimo de 55%;Velocidade do vento: máxima de 10 km/hora;Faixa de aplicação: 15 m;Diâmetro das gotas: 200 a 400 micrômetros;Observação Importante: Nas operações com aeronaves, atender às normas da Portaria 009 de 23.03.93 da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba, e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamentos com vazamentos. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use protetor ocular. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos. Use macacão com mangas compridas, chapéu de abas largas, viseira, luvas, botas e avental impermeável.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, chapéu de abas largas, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: INGESTÃO: Em caso de ingestão acidental, administre repetidamente carvão medicinal com bastante água e procure imediatamente o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. OLHOS: Evite o contato com os olhos. Caso isso aconteça lave com água em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. PELE: Evite o contato com a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas imediatamente com água e sabão procure logo um médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. INALAÇÃO: Evite a inalação ou aspiração do produto. Caso isso aconteça, remova imediatamente o paciente para local arejado e chame o médico.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: Não estão disponíveis informações quanto ao mecanismo de ação, absorção e excreção para o ser humano. Os resultados encontrados em experimentos com animais de laboratório demonstraram que a substância é absorvida e metabolizada por ratos, sendo eliminada rapidamente e extensivamente através da urina e fezes.

EFEITOS COLATERAIS: Não foram relatados efeitos colaterais devido à exposição à formulação.

SINTOMAS DE ALARME: Não há casos conhecidos ou relatados de intoxicação envolvendo seres humanos com a formulação.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO (Informação para uso médico): O antídoto não é especificado. Deve-se aplicar tratamento sintomático.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é MUITO PERIGOSO ao meio ambiente. Evite a contaminação ambiental - Preserve a natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Dê a destinação adequada para as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções contidas na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843.Observe as disposições constantes da legislação Estadual e Municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contacte as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame sobre: Piso pavimentado: jogue serragem ou areia sobre o produto derramado, recolha-o com auxílio de uma pá, coloque em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remova para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: retire com auxílio de uma pá, as camadas de terra contaminados e coloque em tambores ou recipientes lacrados e identificados; Água: interrompa imediatamente o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). As embalagens após enxaguadas, devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico.O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo.O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulo de água.O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico.Abrir um fosso de 1 a 2 m de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 m, de acordo com as necessidades.Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas.Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade.Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres CUIDADO LIXO TÓXICO.Antes de iniciar o uso do fosso e, após cada 15 cm de material descartado, intercalar com camadas de cal virgem, calcário ou carvão para promover a neutralização. Cobrir com lona ou plástico o fosso, enquanto não estiver completo.Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno.Observar a legislação Estadual e Municipal específica.Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas de abrangência do PROGRAMA NACIONAL DE RECOLHIMENTO E DESTINAÇÃO ADEQUADA DE EMBALAGENS AGROTÓXICOS, consulte o órgão estadual de meio ambiente.

INSTRUÇÕES DE TRANSPORTE: O transporte é feito observando-se as normas da Legislação específica vigente, que incluí o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, alimentos, rações, medicamentos ou outros materiais.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o
aumento de população de plantas daninhas a ele resistentes.
Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas deverão ser aplicados herbicidas
com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura.
Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso
de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um
engenheiro agrônomo.