CI

Alon/Buffon/Zarpal

Geral
Nome Técnico:
Lufenurom; Bifentrina
Registro MAPA:
31422
Empresa Registrante:
Globachem
Composição
Ingrediente Ativo Concentração
Lufenurom 140 g/L
Bifentrina 120 g/L
Classificação
Técnica de Aplicação:
Terrestre/Aérea
Classe Agronômica:
Inseticida
Toxicológica:
4 - Produto Pouco Tóxico
Ambiental:
II - Produto muito perigoso
Inflamabilidade:
Não inflamável
Corrosividade:
Não corrosivo
Formulação:
Suspensão Concentrada (SC)
Modo de Ação:
Fisiológico, Contato, Ingestão

Tipo: Bombona
Material: Plástico
Capacidade: 60 L;

Tipo: Frasco
Material: Plástico/Metálico
Capacidade: 2 L;

Tipo: Tambor
Material: Plástico/Metálico
Capacidade: 220 L;

Tipo: Contentor intermediário para granel- IBC
Material: Plástico ou metálico com estrutura metálica externa
Capacidade: 1.200 L.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO

O produto é um inseticida fisiológico, de contato e ingestão, recomendado para aplicações foliares no controle de doenças nas culturas de batata, milho, soja, tomate e trigo.

MODO DE APLICAÇÃO

Deve ser aplicado por meio de pulverizações direcionadas à parte aérea das culturas. A boa cobertura dos alvos pela deposição da calda de aplicação é fundamental para o bom funcionamento do produto em qualquer forma de aplicação, seja terrestre (costal ou tratorizada) ou aérea (à base de óleo ou água).

Equipamentos de aplicação

A qualidade da aplicação é de inteira responsabilidade do aplicador. A utilização de equipamentos corretos, calibrados e a observação das condições ambientais adequadas de aplicação são fundamentais para a qualidade da deposição da calda e redução de deriva.

Via Terrestre

Recomenda-se para aplicação o uso de pulverizadores costais ou tratorizados com atenção aos seguintes parâmetros

Bicos hidráulicos

Tipo de bico

Hidráulico jato cônico vazio, leque ou duplo leque de neblina equivalente.

Pressão de Trabalho

De 2 a 10 Bar (29 -145 lb/pol²).

Diâmetro Mediano Volumétrico

De 150 a 300 µm.

Densidade das gotas mínima

20 gotas/cm².

Via Aérea

Aplicação com bicos hidráulicos Recomenda-se utilizar barras dotadas de bicos cônicos série D ou similar, com disco (core) com ângulo de 45º ou inferior.
Altura do voo com bicos hidráulicos

De 2 a 4 m do alvo a ser atingido.

Largura da faixa de deposição efetiva

De 15 a 18 m (aeronaves a pistão).

Aplicação com atomizadores rotativos

Com atomizadores tipos Turboaero ou Micronair, seguindo a tabela do fabricante para ajuste do regulador de vazão (RV), pressão e ângulo de pá.

Largura da faixa de deposição efetiva

De 15 a 18 m (aeronaves a pistão).

Tamanho das gotas

Diâmetro mediano volumétrico (DMV) de 200 a 300 µm, para aplicação com barra ou atomizadores rotativos.

Altura do voo

Com atomizadores rotativos: 3 a 5 m do alvo a ser atingido.

Condições Climáticas

Umidade Relativa > 60%;
Temperatura: abaixo de 30ºC;
Nas aplicações aéreas não aplicar com ventos abaixo de 3 km/h nem superiores a 10 km/h.

Preparo da calda

Abastecer o pulverizador enchendo o tanque até a metade de sua capacidade com água, mantendo o agitador ou retorno em funcionamento. Adicionar o produto e completar o volume com água. Caso seja necessário interromper a agitação durante o preparo da calda, agitá-la novamente antes de iniciar a aplicação. Prepare apenas a quantidade de calda necessária para completar o tanque de aplicação, pulverizando logo após a sua preparação. Realizar o processo de tríplice lavagem da embalagem durante o preparo da calda. Na utilização de aplicações à base de óleo como BVO (baixo volume oleoso), ALON deve ser misturado ao óleo antes da adição da água.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação. Mantenha afastado das áreas de aplicação: crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade

- O produto não é fitotóxico para as culturas indicadas, quando aplicado conforme instruções de uso e doses recomendadas;
- Manter sob agitação constante a calda de pulverização;
- Uso exclusivamente agrícola. Seguir criteriosamente as instruções de uso do produto;
- Não aplicar em condições meteorológicas de inversão térmica.

Compatibilidade

Não se recomenda a mistura com outros produtos.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. A integração dos métodos de controle cultural, mecânico ou físico, controle biológico e controle químico, juntamente com a adoção das boas práticas agrícolas, visam o melhor equilíbrio do sistema.

GRUPO 15 INSETICIDA
GRUPO 3A INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. O inseticida Alon pertence ao grupo 15 (Inibidores da biosíntese de quitina, tipo 0, Lepidoptera - Benzoilureias) e grupo 3A (Moduladores de canais de sódio - Piretroides) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas. Para manter a eficácia e longevidade como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência. Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
- Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 15 e 3A. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo;
- Usar este ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias;
- Aplicações sucessivas podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga-alvo;
- Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No caso específico deste produto, o período total de exposição (número de dias) a inseticidas do grupo químico das Benzoilureias e Piretróides, e não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações recomendadas na bula;
- Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização deste ou de outros produtos do Grupo 15 e 3A quando for necessário;
- Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas;
- Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
- Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
- Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).

Assine a nossa newsletter e receba nossas notícias e informações direto no seu email

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.