Bula Ameris

acessos
Tebuthiuron
5514
Alta

Composição

Tebutiurom 500 g/L Uréia

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico, Não seletivo
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Capim colonião
(Panicum maximum)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Capim rabo de raposa
(Setaria geniculata)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Falsa serralha
(Emilia sonchifolia)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Picão preto
(Bidens pilosa)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes
Vassourinha
(Malvastrum coromandelianum)
1,6 a 2,4 L p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Único. Não determinado. Após plantio ou corte em pré-emergência das plantas infestantes

Saco externo com ou sem saquinho interno hidrossoliivel - Plásticos - 0,10; 0,20; 0,25; 0,50; 1,0; 2,0; 2,5; 5,0; 10; 15; 20, 25 e 50 L
Frasco - Plástico - 0,10; 0,20; 0,25; 0,50; 1,0; 2,0; 5,0; 10 e 20 L
Tambor - Metálico ou de plástico - 20; 25; 50; 100; 150; 200 e 250 L
Container/Retornável - Metálico - 500; 1.000, 5.000; 10.000; 17.000; 18.000 e 20.000 L
Baldes/ bombonas - Plástico- 2,5; 5,0; 10; 15; 20 e 25 L
Caixa secundária (com ou sem saco hidrossolúvel) - Papelão - 5,0; 10; 15; 20; 25 e 50 Kg

MODO E EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:
Quando aplicado em solo com boas condições de umidade, TEBUTIUROM ALTA 500 SC, age imediatamente no controle das plantas daninhas que iniciarem a germinação. Quando aplicado em solo seco, devido a grande ação residual, o produto permanecerá na superfície do solo, e assim que ocorrerem as primeiras chuvas irá atuar no controle das plantas daninhas que iniciarem a germinação. O produto deve ser aplicado após o plantio (em cana planta) ou depois do corte (em cana soca), em pré-emergência das plantas daninhas.
TEBUTIUROM ALTA 500 SC pode ser aplicado por via aérea ou terrestre (manual ou tratorizada):
- Aplicação Aérea:
O TEBUTIUROM ALTA 500 SC pode ser aplicado via área através de aeronaves do tipo Air Tractor AT 401 B, equipada com barra contendo 22 pontas do tipo Spraying Systems D8, core 46, pressão de 200 kilopascal, proporcionando um volume de 40 L/ha de calda, densidade de 40 gotas/cm2 e com diâmetro superior a 400 micra.
Limpeza dos equipamentos:
Para limpeza dos equipamentos de aplicação é recomendado uma primeira lavagem somente com água, posteriormente outra lavagem em solução de detergente adicionando 500 ml de detergente para cada 100 L de água e finalmente uma lavagem apenas com água.
Aplicação Terrestre:
O TEBUTIUROM ALTA 500 SC pode ser aplicado via terrestre através de pulverizador tratorizado de barra, e a os com pontas do tipo leque jato plano, nas series 8002 a 8004 ou 11002 a 11004, em volumes de calda de 150 a 400 L/ha
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS RECOMENDADAS:
- Aplicação aérea:
Temperatura: < 30°C
Velocidade do vento: entre 2,0 km/h e 10 km/h Umidade relativa: superior a 60%
- Aplicação terrestre
Temperatura: <30°C
Velocidade do vento: < 15 km/h Umidade relativa: superior a 60%
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Cana-de-açúcar ... (1) Intervalo de segurança, não determinado devido à modalidade de emprego.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS).
LIMITAÇÕES DE USO:
- O TEBUTIUROM ALTA 500 SC deve ser aplicado somente na cultura da cana- de- açúcar;
- Não aplique o produto na presença de ventos com velocidade superior a 6,0 Km/h para não promover
deriva para regiões vizinhas, prejudicando culturas sensíveis ao produto.
- Fitotoxicidade para a cultura registrada: ausente se aplicado de acordo com as recomendações.

MINISTÉRIO DA SAÚDE - AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA
ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.
PRODUTO PERIGOSO.
USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.
PRECAUÇÕES GERAIS:
- Produto para uso exclusivamente agrícola
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas de nitrila.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.
PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure
-
rapidamente um serviço médico de emergência.
Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral e luvas de nitrila.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
SOCORROS
Use protetor ocular. Se houver contato do produto com bs olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local varejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas
- Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação
- O produto produz neblina, use máscara cobrindo o nariz e a boca.
- Não aplique produto contra o vento e nas horas mais quentes do dia.
- Verifique a direção do vento e aplique de modo a não entrar na névoa do produto.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas borracha; máscara com filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
- Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA e manter os avisos até o final do
período de reentrada
- Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os
equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do
alcance de crianças e animais.
- Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
- Os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, óculos, avental, botas, macacão, luvas e máscara.
- Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
- Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. AO LAVAR AS ROUPAS
UTILIZADAS / CONTAMINADAS, UTILIZE LUVAS E AVENTAL IMPERMEAVEL.
- Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
- Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
- Não reutilizar a embalagem vazia. - No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento
hidrorrepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.
PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comér.
Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
Pele: Em caso de cgntato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
Inalação: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.
INTOXICAÇÕES POR TEBUTIUROM ALTA 500 SC —
INFORMAÇÕES MÉDICAS
Grupo Químico: Uréia
Vias de exposição: Oral, dérmica, ocular e inalatória.
Toxicocinética: Em estudos em ratos, camundongos, coelhos, cães e patos, o Tebutiurom foi rapidamente absorvido pela via gastrointestinal e respiratória, rapida e extensivamente metabolizado e excretado principalmente pela urina (84-95%) e em menor proporção pelas fezes (1-31%), em 72 horas. Foi encontrada excreção biliar em ratos. A maior parte dos metabólitos do Tebutiurom que são excretados na urina, mantêm a configuração da uréia e resultam de demetilação na posição 3 e oxidação do grupo demetiletil. Não houve evidências de bioacurnulação.
Mecanismos de toxicidade: O mecanismo de toxicidade em humanos é desconhecido. Atua nas plantas por inibir a fotossíntese através de bloqueio do transporte de elétrons.
ALTA — América Latina Tecnologia Agrícola
Av, Sete-de Setembro n9 4.923, 199 a., sala 1901 CEP 80240-000 Bairro: Batel - Curitiba-PR CNN: 10.409.614/0001-85 Fone: (41) 3071-9100 FAX (41) 3071-9105-
Sintomas e sinais
clínicos Ex os ao A uda:
Sinais e sintomas
Dérmica: Não foi sensibilizante dérmico
Ocular: Irritação (conjuntivite)
Inalatória: Irrita ao tosse, taeuienéia, cefaléia
Oral: Náuseas, vômitos, diarréia e quando ingerido em grandes quantidades
pode causar metahemoglobinemia associad,o a dispnéia, depresão do sistema nervoso central e cianose não res onsiva.
Diagnóstico: O diagnóstico é estabelecido pela confirmação da exposição e de quadro
• Obs.: Em se apresentando sinais e sintomas indicativos de intoxicação aguda, trate o paciente imediatamente.
• Dosa em de metahemo lobina deve ser feito em todos os .acientes com cianose. Antídoto: não há antídoto específico.
• Em caso de Metahemo lobinemia: Administre 1 a 2 mg/kg de uma solução de Azul de Metileno a 1%, lentamente, via intravenosa em pacientes sintomáticos. Doses adicionais podem ser necessárias.
Tratamento:
Tratamento: remoção da fonte de exposição, descontaminação, proteção das vias respiratórias, de aspiração; tratamento sintomático e de suporte.
sicãoOroOraI
• Carvão ativado: se liga à maioria dos agentes tóxicos e pode diminuir a absorção sistêmica deles, se administrado logo após a ingestão (1 hora)
Suspensão: (30 g de carvão/240 ml de água). Dose: (25 a 100)g em adultos; (25 a 50)g em crianças de (1 a 12 anos) e (1 g/kg) em < 1 ano;
• Emergência, suporte e tratamento sintomático: manter as vias aéreas permeáveis: aspirar secreções, administrar oxigênio e intubar se necessário. Atenção especial para parada respiratória repentina, hipotensão e arritmias. Uso de ventilação assistida se requerido. Fluidos intravenosos e monitorização de oxigenação (oximetria/gasometria), eletrólitos, ECG, etc. Convulsões: indicado benzodiazepínicos IV: Diazepam (adultos -- 5-10 mg; criànças = 0,2-0,5 mg/kg, e repetir a cada 10-15 minutos) ou Lorazepam (adultos: 2-4 mg; crianças: 0,05-0,1
mg/kg). Considerar Fenobarbital ou Propofol na recorrência das convulsões em >5 anos. grave.
Hemodiálise: pode ser requerido em caso de intoxicação grave, insuficiência renal e acidose
Contra-indicações/Efeitos sinérgicos:
• Manter internação por no mínimo 24 horas após o desaparecimento dos sintomas. A indução do vômito é contra-indicada em razão do risco de aspiração e de pneumonite química. Com outras uréias.
ATENÇÃO
Ligue para o Disque-Intoxicação: 0800-722-6001 para notificar o caso e obter informações
especializadas sobre o diagnóstico e tratamento.
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica
RENACIAT — ANVISA/MS Centro do Controle de Envenenamento do Paraná: 0800 41 0148 Notifique ao sistema de informação de agravos de notificação
(SINAN / MS)
Telefone de Emergência da empresa:
ALTA — América Latina Tecnologia Agrícola Ltda.: (41) 3071-9100
MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO: Vide itens Toxicocinética e Mecanismos de toxicidade no quadro acima.
EFEITOS AGUDOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
Em laboratório, a dose aguda letal para 50% dos animais testados foi:
DL50 oral: 500 mg/kg; DL50 dérmica: maior que 4000 mg/kg; CL50 inalatória: maior do que 1,098 mg/L. Irritação dérmica e ocular: Pouco irritante
Sensibilização cutânea: Não houve sensibilização dérmica nas cobaias tratadas.
EFEITOS CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
Em ratos, a exposição crônica ao Tebutiurom causou redução de peso e afetou principalmente o fígado
(sulfohemoglobinemia, metahemoglibinemia, anemia leve, aumento da eritropoiese, hemossiderose esplênica), (incremento no peso) e pâncreas. Em cães causou anorexia, diarréia e incremento no peso do fígado, rim e tireoide. Em estudo em ratas prenhas expostas ao Tebutiorom observou-se redução no peso e do consumo da dieta materno, mas não houve efeitos no desenvolvimento. Em coelhas grávidas expostas produziu incremento no número de fetos por ninhada e diminuição do peso fetal. Não houve evidências de genotoxicidade, mutagenicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade.
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.

Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte a empresa registrante, através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.
PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAçÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇAO OU EM DESUSO:
EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL
LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.
- Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-o na posição
vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até 1/4 do seu volume; - Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos;
- Despeje a água da lavagem no tanque pulverizador; - Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.
- Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavag_em sob ,pressão seguir os seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento inde_pendente_para lavagem sob press_ão, adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos.
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, guando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes. É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTE DA DESTINAÇÂO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias, sacarias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas. PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente,
TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação especifica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.
RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ORGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas daninhas a ele resistentes.
Corno prática de manejo de resistência de plantas daninhas, deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura.
Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo.